Publicidade
Repórter News - reporternews.com.br
Opinião
Quinta - 18 de Março de 2010 às 08:53
Por: Eduardo Póvoas

    Imprimir


É de domínio publico a educação e a hospitalidade que o cuiabano oferece a quem aqui aporta.
Nosso povo tem sempre uma palavra de carinho e de afeto para os brasileiros que escolheram  esta terra para viver.

Claro, unanimidade ninguém consegue ter, nem Cristo teve, porque um simples mortal vai ter?
Mas com a mesma ótica que alguns discordam, aqueles que concordam, não podem deixar de reconhecer o trabalho e os investimentos do Governo do Estado dentro da nossa capital. Falo só de Cuiabá.

Não adianta alguns contestarem dizendo que o governo não faz mais que sua obrigação. Concordo, mas porque outros, principalmente os capitaneados por nossos conterrâneos nunca fizeram?
Não há duvida de que após o Governo Fragelli, nunca Cuiabá recebeu tantas obras e benefícios de um governo estadual como recebeu deste.

Já enumerei algumas e levei pancadas de alguns “caolhos” que insistem em não enxerga-las.
Ontem mesmo conversando com um amigo, ele me disse: ”Eduardo, o Blairo perde a eleição dentro de Cuiabá”. Eu perguntei: Por quê? Ele respondeu: “Não fez nada aqui”.

Estava eu frente a frente com um caolho. Perguntei a ele se sabia que a dinheirada da Avenida das Torres é do Governo Federal e Estadual. Disse não saber. Do Municipal só para marmitex.

Perguntei sobre vários monumentos históricos que estavam caindo aos pedaços como a Igreja de São Benedito, o Palácio da Instrução, o Arquivo Público (outrora Tesouro do Estado), a Academia Mato-grossense de Letras, a restauração da ponte de ferro no Rio Coxipó (a primeira ligação com a cidade), o Cine Teatro Cuiabá (graças a Deus não Cine Teatro Ruth Cardoso como alguns queriam), e milhares de obras sacras quem vem sendo restauradas se ele sabia que é obra do Governo do Estado. Disse desconhecer.

E o belíssimo ginásio de esportes Aecim Tocantins?
Ele foi mais alem dizendo de que adianta restaurar casas velhas e imagens velhas.
Aí sim, fui obrigado a tirar a venda do “caolho” e lhe dizer que um povo se faz com cultura e história.
Se é obrigação do Governo Estadual fazer, por que outros não fizeram? Se este fez com parcerias, por que outros não conseguiram parceiros?

Falei sobre a quantidade de asfalto que o atual governo executou e ainda executa nas nossas ruas. Fui alem, perguntei se em algum momento de sua vida ele viu tantas casas serem construídas para o nosso povo. Ele não se lembrava, alias, fez questão de esquecer.

A luta para trazer uma das sub sedes da Copa do Mundo para Cuiabá, é mérito exclusivo do Governador. Ou alguém acha que nosso quase ex Alcaide teria “cacife” para tal?  Os três ou quatro jogos da copa que serão realizados aqui será a coisa mais insignificante para a capital.  O mais importante serão as obras que a copa nos deixará de presente.

Ao meio dia ou às seis da tarde, de dentro do seu automóvel retornando para casa neste transito infernal, lembrará você, daqui a alguns anos, dos “filhos” que a Copa nos deixou. Aí você dará valor a quem acreditou e brigou para que ela viesse para cá.

Verá outros “filhos” dela (da Copa) no Aeroporto, e em todos os cantos da cidade. E se fosse para Campo Grande? Ficaria alguma coisa por aqui? Por acaso foi o “xupa esta manga” que conseguiu isto tudo?

E o CEOPE?  Você conhece? Vá conhecê-lo ao lado do Hospital do Câncer, para mim a maior obra social deste governo. Atendendo em apenas seis anos mais de 6000 (seis mil) crianças e adultos portadores de necessidades especiais. Deixemos de lado nossas paixões políticas e reconheçamos o que Cuiabá recebeu deste governo. Faltou alguma coisa? Claro, faltou muita coisa porem o avanço foi significativo.

Não precisa me contestar se você não gosta do Governador. Respeito sua opinião, mas em nome daqueles que reconhecem seu trabalho por Cuiabá, nós lhe dizemos: obrigado Blairo.


Eduardo Póvoas - Cidadão Cuiabano
povoas@terra.com.br


Autor

Eduardo Póvoas

EDUARDO PÓVOAS é dentista em Cuiabá

Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/artigo/1463/visualizar/