Repórter News - reporternews.com.br
Opinião
Sexta - 19 de Setembro de 2014 às 09:57
Por: Lourembergue Alves

    Imprimir


Em ano político-eleitoral, são comuns as promessas. Estas são muitas e variadas, e até podem ser modificadas, dependendo do ambiente em que estão os candidatos, cujos ‘programas de governo’ constam soluções para todos os problemas que afligem a população e o Estado.

Independentemente, contudo, do orçamento e das possibilidades reais do governo. Isto é ruim. Porém revelador.

Deixa à mostra a falta de racionalidade e de responsabilidade no que prometem. Eles, aliás, prometem, por exemplo, ‘dobrarem o número de policiais militares nos próximos quatro anos’.

Promessa, caso fosse possível cumpri-la, seria uma maravilha. Pois é visível e conhecidíssimo o crescente número da violência mato-grossense. Quadro que foi controlado durante a Copa do mundo, uma vez que, por aqui, esteve todo um reforço policial e tecnológico.

Passado, porém, o período dos jogos, os índices da violência voltaram a crescer, e crescem quase diariamente. E isso, vale dizer, compromete o bem-estar social, tornando permanentemente o estágio de insegurança e de ausência das ações do próprio Estado. "Em ano político-eleitoral, são comuns as promessas. Estas são muitas e variadas, e até podem ser modificadas, dependendo do ambiente em que estão os candidatos"

Daí a necessidade de alternativas, ou de iniciativas que possam mudar tal quadro. Duas ações que requerem, antes de qualquer coisa, projetos e planos. Inexistem, portanto, outra maneira de realizar as ditas ações.

Acontece, porém, que os candidatos preferem conjugar o verbo prometer, esquecendo-se do agir, ou de apresentar projetos de ação.

Certamente por acreditarem que, desse modo, tem enormes chances na conquista dos votos. E, assim, desenrolam o rosário das promessas.

Tudo, para eles, é passível de realização. Inclusive dobrar o efetivo da polícia militar.

Um trecho da fala do governador Silval Barbosa, publicada ontem em um dos jornais da Capital, contudo, põe essa promessa em xeque-mate. Pois, segundo o governador, o Estado está em ‘seu limite em gasto de folha de pagamento’.

Tal afirmação deixa à mostra a falta de planejamento da atual gestão, e, ao mesmo tempo, se soma ao depoimento de um integrante do TCE/MT, Antônio Joaquim, que, dias atrás, já havia denunciando o desrespeito dos candidatos com relação à peça orçamentária e as reais condições de Mato Grosso.

Ao passo que a dita promessa, para ser cumprida, obrigará o próximo governador a diminuir consideravelmente o número de secretarias e acabar com os cargos comissionados.

Estas duas iniciativas, se fossem de fato levadas a cabo, por outro lado, criariam dois problemas: (1) crise com o Legislativo regional, que só se movimenta para exigir dinheiro e cargos no Executivo; e (2) desentendimentos com os partidos políticos que ajudaram na eleição do governador, uma vez que aqueles só entram na campanha em troca de benefícios, e, entre estes, estão, evidentemente, o loteamento do governo ou do Estado.

Diante disso, não precisa ser estudioso do jogo da política, para saber, de antemão, que não será cumprida a promessa de dobrar a atual quantidade de policiais militares.

Uma vez mais, a população ficará chupando o dedo. Triste, para não dizer trágico.



Fonte: Mídia News

Autor

Lourembergue Alves

LOUREMBERGUE ALVES é professor universitário e articulista

Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/artigo/1710/visualizar/