Publicidade
Repórter News - reporternews.com.br
Opinião
Segunda - 09 de Janeiro de 2017 às 09:05
Por: Renato de Paiva Pereira

    Imprimir


Por volta 1880 o poeta parnasiano Luiz Guimarães escreveu o verso “depois de um longo e tenebroso inverno” na poesia “Visita à Casa Paterna”.

Os leitores acharam tão bonito que nunca mais deixaram de repeti-lo, mesmo não sabendo quem escreveu e em que contexto. Pela recorrência, o que era agradável ficou cansativo e chato. Assim nascem os chavões, clichês ou lugares-comuns, que são palavras e expressões tidas um dia por interessantes ou bonitas, mas que se desgastaram pela repetição.

O leitor mais exigente torce o nariz (chavão proposital) quando lê nos jornais “luz no fim do túnel”, “fechar com chave de ouro”, “lugar ao sol”, “requintes de crueldade”, “acreditar piamente”, “comédia de erros”, “do Oiapoque ao Chuí”, “merecidas férias”, “caixinha de surpresa” e outras centenas ou milhares que empobrecem artigos ou reportagens.

Modismos, que são os clichês usados em um determinado momento, estimulados pelos meios de comunicação abundam nos jornais, principalmente colunas sociais: “No agito” dos “ricos e famosos” a fulana “causou”.

Temos ainda o caso de expressões mal traduzidas que forçam o significado de muitas palavras: “loja de conveniência”, por exemplo, em português conveniência não tem o sentido de comodidade ou conforto como sua similar inglesa “convenience”; “serviço de inteligência” não fica legal para referir-se ao departamento de investigação de uma instituição.

A internet é outra estragadora da língua: “salvar” no entendimento normal não tem o sentido de arquivar ou reservar. Também ficaria melhor substituir “deletar” por apagar . Querendo sofisticar um pouco pode usar delir, que no mínimo exigiria uma busca nos dicionários, muito útil para enriquecer o vocabulário.

Os políticos são campeões de lugares-comuns: “toma-lá-dá-cá”, “na calada da noite”, “declinar”, “casuísmo”, “factoide”, “programático”, “denegrir” “rasgar a constituição” “golpe”, “legado”, “inverdade”, “conluio”, “terminar em pizza”, “desserviço”, “conchavo”, “passar o país à limpo”.

Estas coisas acontecem por preguiça de pensar, pois é mais fácil repetir o que já está pronto economizando esforço. Por isso o jornalismo da televisão repete todos os anos o custos da ceia de natal, a multidão na 25 de março, os engarrafamentos nos feriados prolongados, aumento do preço do chocolate na páscoa, das flores em finados, dos peixes na semana santa.

Por falar em ceia temos ainda que suportar os horríveis jogos de palavras ou trocadilhos como: “com os preços do peru em alta a ceia de natal ficou indigesta”, ou, “este ano o bacalhau está mais salgado”.

Claro que a língua é dinâmica e que palavras entram e saem do uso conforme a vontade dos falantes. Mas os casos de repetições citados são estimulados pelos meios de comunicação, que deveriam cuidar melhor dela (a língua), pois é sua matéria prima.

Renato de Paiva Pereira – empresário e escritor



Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/artigo/1921/visualizar/