Repórter News - reporternews.com.br
Opinião
Terça - 22 de Janeiro de 2019 às 08:32
Por: Oscar D"Ambrosio

    Imprimir


O amor tem numerosas facetas e configurações. Pode-se pensar em possibilidades infinitas e situações inusitadas, comandadas pelos mais variados sentimentos, que vão da posse total do objeto desejado ao desapego de si mesmo para alegrar o outro. Concorrente de Israel ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro 2019, ‘O confeiteiro’ trata justamente disso.

O enredo aparentemente simples se desdobra em complexidades. Um competente confeiteiro alemão de Berlim e um empresário israelense, casado com um filho em Jerusalém, se conhecem e se apaixonam na Alemanha. O que poderia ser um mais um triângulo amoroso ganha outras proporções.

O empresário falece num acidente de automóvel, e o confeiteiro decide ir para Israel e conhecer a viúva, que tem uma cafeteria. Chegando lá, não apenas acaba trabalhando no local como também se envolve afetiva e sexualmente com ela. Isso ocorre ainda dentro de um cenário, em que ele enfrenta preconceito por ser alemão e não conhecer a tradição kosher, que proíbe, por exemplo, a mistura de carne e leite.

A direção de Ofir Raul Grazier contribui para um ritmo seguro, que apresenta reviravoltas do roteiro significativas, mas suaves. O confeiteiro alemão é movido pelo instinto e pelo destino, sem grandes planejamentos, mas conduzido pelas circunstâncias, que contribuem para um delicado final que aponta para as múltiplas maneiras de amar, longe de ações e pensamentos prontos e consagrados.

Oscar D’Ambrosio é jornalista pela USP, mestre em Artes Visuais pela Unesp, graduado em Letras (Português e Inglês) e doutor em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Gerente de Comunicação e Marketing da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.



Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/artigo/2400/visualizar/