Publicidade
Repórter News - reporternews.com.br
Opinião
Segunda - 05 de Agosto de 2019 às 09:19
Por: Otacilio Peron

    Imprimir


Ao se aproximar o Dia do Advogado (11), eu deveria estar comemorando com alegria, prazer e honra de pertencer a esta tão nobre classe profissional.

Mas não. Estou triste e atônito ao ver a nossa classe (OAB) estar sendo ameaçada de extinção, e por estar sendo comandada por um Presidente, Felipe Santa Cruz, que defende o fim da Lava-jato por conta, segundo ele, da “paralisação” que as investigações trouxeram aos setores público e privado.

Em entrevista à Folha de São Paulo, ele afirma:

“O judiciário, assim como qualquer outro poder, deve responder pelos seus erros. Não devemos fazer da Lava-jato um livro em fascículos intermináveis. Para nós é preocupante a paralização do poder público, um apagão das canetas diante da insegurança jurídica”.

Segundo ele, o “país está parado” por conta das investigações que descobriram os maiores escândalos de corrupção da história do país”.

Na mesma entrevista, fez absurdas críticas à nomeação do Juiz Sérgio Moro para comandar o Ministério da Justiça.

Declarou ele:

“É um profissional que demonstrou ser capaz e habilitado para ser ministro da justiça. Entendo apenas que é um equívoco histórico. Quando ele entra na arena do Executivo, ainda com as melhores intenções, é óbvio que autoriza leituras mais duras sobre o processo que gerou uma profunda criminalização da classe política”.

Esta entrevista demonstra claramente que está defendendo a bandeira dos partidos de esquerda. Pura ideologia política.

Como Presidente da OAB, deveria apoiar as investigações e não condená-las. Não pode utilizar-se da OAB para defender suas ideologias ou até interesses pessoais.

A maioria dos advogados está a favor da continuidade da Operação Lava-jato.

E todos temos orgulho de ter um colega advogado, ex-juiz e atual Ministro da Justiça Sérgio Moro.

Sou saudosista. Sou do tempo que a OAB era presidida por figuras respeitáveis, como Raimundo Faoro e tantas outras.

Não sei como foi a eleição desse Presidente. Se está lá é porque a maioria do conselho votou, direta ou indiretamente nele.

Mas eu, ao se aproximar o Dia do Advogado, quero externar meu mais profundo descontentamento, com o rumo que está tomando nossa querida OAB.

A comunidade jurídica deveria refletir, se aceita ver a OAB como instrumento político ideológico, como o que está se delineando, ou voltada as atividades atinentes aos advogados, que exercem função constitucionalmente privilegiada, na medida em que são indispensáveis à administração da justiça (art. 133 da CB).

Eu não aceito, e este Presidente não me representa.

OTACÍLIO PERON é advogado.



Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/artigo/2659/visualizar/