Repórter News - reporternews.com.br
Opinião
Sexta - 23 de Agosto de 2019 às 09:10
Por: Marcelo Augusto Portocarrero

    Imprimir


As legislações ambiental e de defesa animal brasileiras são das mais conservacionistas, exigentes e duras do mundo. Aqui o percentual de área de reserva em propriedades rurais é maior que em qualquer um dos países que nos criticam, não existem temporadas de caça a animais e aves, nem pesca de espécimes em risco de extinção.

Pois bem, alguém consegue explicar porque esses países não fazem o mesmo, tão pouco se interessam em aprender conosco vez que nossas legislações são mundialmente reconhecidas como das mais avançadas?

Então, já que a vegetação e os animais estão legalmente protegidos parece ter restado a eles a duvidosa intenção de proteger a derrubada das árvores, fiscalizar garimpos, ambas atividades financiadas pelo interesse de grupos estrangeiros. Por outro lado, nossos índios são cidadãos brasileiros como tutelados estão legalmente protegidos, razão pela qual todos, mas todos mesmo, estão impedidos de qualquer ingerência sobre eles e sobre as áreas de reserva onde vivem sem que para isso tenha autorização legal, imaginem então no que se refere a eventual atuação de estrangeiros.

O que sobra para ser “vigiado” por ONGS travestidas de atividades humanitárias e institutos de monitoramento são áreas propícias à exploração mineral e para a abertura autorizadas pelo Incra, além daquelas outras cedidas ao MST/associados, coisa que parece não lhes interessar mostrar.

O que sobra para ser “vigiado” por ONGS travestidas de atividades humanitárias e institutos de monitoramento são áreas propícias à exploração mineral e para a abertura autorizadas pelo Incra, além daquelas outras cedidas ao MST/associados, coisa que parece não lhes interessar mostrar

Sobre sermos rigorosos demais com a interferência estrangeira em assuntos internos vir a prejudicar nossas relações internacionais, basta fazer cumprir as leis sobre atividades estrangeiras no país para “colocar os pingos nos is” e assim calar as campanhas contra a autoridade brasileira, principalmente aquelas articuladas por inimigos internos.

Todos nós sabemos quais são as intenções por detrás de tanto colaboração e subvenção gratuitas. Tanto que algumas já estão sendo desvendadas como é o caso da mineradora Hydro Cred, empresa norueguesa que lançava rejeitos nas nascentes amazônicas ou a também norueguesa Norwegian Norsk, a qual tem o governo da Noruega como principal acionista e que refina matéria-prima para produção de alumínio, cuja ganância poluiu com seus rejeitos as águas do Rio Pará e os mananciais que abastecem Barcarena, cidade onde está instalada.

Pois bem, ao que tudo indica as novas circunstâncias de controle ambiental fez com que a Norwegian Norsk Hydresta decidisse suspender suas atividades na região. Estranho, muito estranho não é mesmo? Faz parecer que as doações tinham objetivos nada conservacionistas.

Outra preocupante situação é a denúncia que circula nas redes sociais de autoria de uma bióloga da USP sobre interferências diretas de ONGs não brasileiras em uma reserva indígena Waimiri-Atroari localizada no norte do estado do Amazonas. Segundo ela, a Funai não tem controle de acesso vez que este é controlado por ONGs americanas em parceria com as de outros países fazendo com que os índios dessa reserva falem inglês, francês e outras línguas além da nativa, menos o português.

Será verdade ou é mais uma tentativa de atrapalhar as ações do governo federal na Amazônia Brasileira e ao mesmo tempo estimular o antiamericanismo de esquerda. De qualquer forma, se for verdade confirma-se assim a necessidade de colocá-los pra fora do Brasil.

Está ficando cada vez mais claro que o que querem mesmo são os frutos, substâncias e o subsolo da Amazônia, com a floresta pouco se importam, tanto que as suas já não existem mais e não demonstram o menor interesse em recupera-las. Alguém já ouviu falar em planos de reflorestamento nas áreas ocupadas pela agricultura, vinhedos e outras atividades econômicas na Europa e nos Estados Unidos?

Quando a esmola é grande desconfie da “bondade”.

MARCELO AUGUSTO PORTOCARRERO é engenheiro civil.



Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/artigo/2681/visualizar/