Publicidade
Repórter News - reporternews.com.br
Opinião
Sexta - 30 de Outubro de 2020 às 10:29
Por: Assessoria | CIMAN

    Imprimir


Esperança é um sentimento de quem vê como possível a realização daquilo que se deseja. É a confiança em algo positivo.

Eu esperanço, ele esperança, eles esperançam. E você, esperança?

Há algo que quem quer não tem nada ou quase nada na vida não pode perder jamais: é a esperança. Refiro-me ao substantivo cognato do verbo esperançar, que, por sua vez, significa “levantar-se e ir atrás; agir; construir alternativas e soluções; levar adiante uma ideia, um projeto; nunca desistir”.

Esperançar é almejar, sonhar, agir, buscar. É o contrário de esperar, apesar de muitos associarem esperança a esse verbo.

Mário Sérgio Cortella, filósofo e professor – nos ensina que: “é preciso esperançar, olhar e reagir a tudo aquilo que não tem saída”. Ele sempre nos incentiva a “deixar a zona de conforto para nos lançar em novas perspectivas e provocar as mudanças que se fizerem necessárias”.

É claro que nunca é fácil fazer isso, e é natural ter medo. Mas quem tem esperança, mesmo que esteja embebido em receio e em insegurança, não se deixa dominar por esses sentimentos.

Esperança é um sentimento de quem vê como possível a realização daquilo que se deseja

Ao contrário, enfrenta com coragem os entraves, os problemas, os obstáculos, os inimigos. Encara o que quer que esteja atrapalhando o caminho em direção à realização dos seus projetos. Pessoas assim têm consciência de que, em uma cabeça cheia de medos, não há espaço para sonhos.

Uma pessoa que tem esperança está longe de se julgar invulnerável. Elas nunca desistiram mesmo em momentos de mar manso e de plenitude. Quem tem esperança – do verbo esperançar – compreende a dificuldade que é mudar, mas também entende que, em certos momentos, precisa alterar o que deve ser alterado.

É flexível sem ser inconsequente. Em outras palavras, muda quando tem de mudar, os pensamentos, os seus projetos, os seus métodos, as suas técnicas de estudo ou suas metas.

Mas algumas coisas não devem ser mudadas, e o esperançoso – do verbo esperançar – sabe disso. No meu caso, por exemplo, mesmo que eu tenha sido acometida pelo medo e que ainda esteja enfrentando inúmeros problemas, não vou me acovardar e deixar de ousar e de criar.

Ninguém ignora que o nosso país vive um mau momento e que muitas brasileiras e muitos brasileiros já praticamente perderam a esperança – do verbo esperançar. O otimismo dessas pessoas “apodreceu”. Elas acreditam que não há mais jeito, que não há mais solução, e, letárgicas, aguardam que alguém faça algo para que a crise termine.

Lavam as mãos, bem como fez Pôncio Pilatos. Note que isso não é esperança; é espera!

Caro leitor, já houve quem dissesse que toda caminhada de cem quilômetros começa com o primeiro passo. Não espere que os problemas se resolvam sozinhos para você começar algo novo; não fique inerte enquanto aguarda ter tempo ou condições financeiras para iniciar o seu projeto de conquista. Não fique esperando. Comece a esperançar, a agir com esperança.

O grande poeta inglês Shelley disse: “Se o inverno chegou, a primavera não está distante”. E o espanhol Cervantes escreveu: “Não há noite que não amanheça”, “O inverno infalivelmente se torna primavera” e “Enquanto houver vida, haverá esperança”.

E lembre que ninguém nasce pronto. Somos capazes de nos reinventar a todo o tempo, mesmo quando não conseguimos, num primeiro momento, enxergar a luz no fim do túnel.

Então, movimente-se! Levante-se, sacuda a poeira e avance! Não importa se você terá de começar agora ou se é o caso de apenas continuar o que já havia iniciado; o que importa é não desistir. E não pense em parar enquanto não tiver alcançado o seu propósito. Não descanse enquanto não chegar o dia da conquista dos seus sonhos. Aconteça o que acontecer no caminho, não pare! Você é capaz! Você é confiante! Você consegue!

Rosangela Lucas é professora e escritora.



Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/artigo/3392/visualizar/