Publicidade
Repórter News - reporternews.com.br
Opinião
Terça - 28 de Dezembro de 2010 às 15:00
Por: Kharina Nogueira

    Imprimir


Nesta terça-feira é um dia importante na luta para salvar a Internet. Como fonte de inovação, um motor da nossa economia, e um fórum de nosso discurso político, a Internet só pode funcionar se for um campo de jogo verdadeiramente nivelado. Pequenas empresas devem ter a mesma capacidade de atingir clientes como empresas poderosas. Um blogueiro deve ter a mesma capacidade de encontrar uma audiência como um conglomerado de mídia. Este princípio é chamado de "neutralidade da rede" - e está a beira de um grande ataque, ou desastre, ou seria golpe em massa? Gigantes de serviços de Internet como Comcast e Verizon querem oferecer prêmios e acesso privilegiado à Internet para corporações que podem pagar por isso. 
  
A boa notícia é que a Comissão Federal de Comunicações tem o poder de expedir normas que protegem a neutralidade da rede. A má notícia é que os projetos de regras escritas por presidente da FCC, Julius Genachowski não fazem nada disso, ao contrário. 
  
É por isso que terça-feira é um dia tão importante mundialmente. A FCC estará reunida para discutir os regulamentos, e temos de nos certificar que os seus membros entendem que permitir que corporações queiram controlar a internet seja simplesmente inaceitável. Embora a Ordem presidente Genachowski o projeto não tenha sido tornada pública, os relatórios mais antigos deixam claro que estão longe de proteger a neutralidade da rede. Para muitos norte-americanos - especialmente aqueles que vivem em áreas rurais - o futuro da Internet encontra-se em serviços móveis. Mas o projeto de decreto quer efetivamente permitir provedores de Internet bloquear conteúdos legais, aplicativos e dispositivos de acesso à Internet móvel. 
  
As redes móveis como AT & T e Verizon Wireless seria capaz de desligar o seu acesso a conteúdos ou aplicações, por qualquer motivo. Por exemplo, a Verizon poderia impedir você de acessar o Google Maps no seu telefone, forçando-o a usar seu próprio programa de mapeamento, a Verizon Navigator, mesmo quer cobrar pelos serviços e nem são bons! Ou uma operadora de celular com uma agenda política pode impedir o download de um aplicativo que você se conecta com a campanha de Obama (ou, neste caso, um grupo Tea Party em sua área). 
  
E fica ainda pior. A FCC nunca antes explicitamente permitiu a discriminação na internet -, mas o projeto de decreto dá milhões de passos para trás, apenas afirmando que "a priorização paga” - a criação de uma "via rápida" para as grandes corporações que podem pagar por ela- é motivo de preocupação. Ele está certo - mas é exatamente por isso que a FCC deveria proibí-lo. Em vez disso, o projeto de decreto teria o efeito de verdade e o relaxamento das restrições sobre este tipo de discriminação. Além do mais, mesmo as proteções que estão estabelecidas no projeto de decreto seria fraco porque ele define como “serviço de acesso à Internet de banda larga”, demasiado restritiva, tornando mais fácil para as corporações poderosas para burlar as regras. 
   
Aqui está o que é mais preocupante de todos. Presidente Genachowski e o presidente Barack Obama - que o nomeou - argumentaram convincentemente que apóiam a neutralidade da rede. Mas os apoiadores de base da neutralidade da rede estão começando a se perguntar se nós a temos tido. Em vez de propor uma regulamentação que verdadeiramente protege a neutralidade da rede, os relatórios indicam que o presidente Genachowski vem chamando os CEOs das principais empresas de Internet procurando o apoio público desta proposta. 
   
Nenhum presidente deve ser solicitando “sign-off " das corporações que sua agência é suposto regular - e nenhum verdadeiro defensor de uma Internet livre e aberta devem procurar a permissão de grandes conglomerados de mídia, antes da emissão das novas regras. Seu dever é proteger os usuários da Internet, mas pelo jeito o tapete vermelho está prestes a ser puxado. Afinal, basta olhar para a Comcast - já teria imposto uma taxa nova, recorrente na Level 3 Communications, a empresa candidata a ser o principal provedor de entrega on-line Netflix. Essa é a Netflix mesmo que representa a maior competição de Comcast em serviços de vídeo. Imagine se os clientes da Comcast não podendo assistir a Netflix, mas que se limitam apenas ao vídeo da Comcast On Demand serviço. Imagine se uma rede de notícias a cabo poderia começar seu site carregar mais rápido no seu computador do que o seu blog favorito local. Imagine se grandes empresas com sua própria agenda pode decidir quem ganha ou perde online. A Internet tal como conhecemos deixaria de existir. 

Craig Aaron considera lamentável o poder dos lobbistas da indústria de telecomunicações e de TV a cabo em Washington: “Nos últimos anos deslocaram 500 lobbistas, basicamente um para cada membro do Congresso, e isso é somente o que declaram abertamente. A AT&T é a empresa que doou mais dinheiro para campanhas políticas em toda a história. E a Comcast, a Verizon e as outras grandes empresas não ficam atrás. Estamos realmente a ver esse jogo aqui. Mais uma vez, os grandes interesses empresariais estão a utilizar a sua influência, as suas contribuições para as campanhas, com finalidade de eliminar qualquer ameaça ao seu poder, a seus planos para o futuro da internet. Quando a AT&Tquer reunir todos os seus lobbistas, não há uma sala que abrigue a todos. Tiveram que alugar uma sala de cinema. As pessoas que representam o interesse público e que lutam pela internet livre e aberta aqui em Washington ainda podem compartilhar o mesmo táxi.

O dinheiro das campanhas eleitorais é, mais do que nunca, o que mantém vivos os políticos estadunidenses, e podem estar certos que Obama e os seus assessores estão a pensar na eleição de 2021, que provavelmente será a mais cara da história dos Estados Unidos. Acredita-se que o uso enérgico e inovador da internet e das tecnologias de telemóvel ajudaram Obama a assegurar sua vitória em 2008. À medida que a internet aberta é cada vez mais restringida nos Estados Unidos, e que as empresas que controlam a internet se tornam cada vez mais poderosas, é possível que não exista essa participação democrática por muito mais tempo.

É por isso que a neutralidade da rede é a questão mais importante discurso livre do nosso tempo. Net Neutrality é a liberdade de expressão, liberdade de escolha do tema do século 21. É a garantia de um sistema de mídia mais aberta e democrática, que foi cozida para a Internet na sua fundação. Na terça-feira, FCC de Obama poderão vender tudo isso para as indústrias interessadas. E é por isso que, nesta terça-feira, quando a FCC se reúne para discutir esta proposta muito imperfeita com cara e forma de farsa, o mundo todo estará assistindo in loco a continuidade das conquistas globais, ou apenas sermos mais uma vez enganados e engolidos por uma política monopolizada e lobiada pelos americanos. Se aprová-lo todos indignarão, sem direito a resposta e acesso livre. E você deverá ser também, mais um tão indignado, quanto eu.

Fonte: http://www.sobremesacomkharinanogueira.blogspot.com



Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/artigo/816/visualizar/