Publicidade
Repórter News - reporternews.com.br
Opinião
Quinta - 02 de Setembro de 2010 às 10:57
Por: Tânia Pasqualini

    Imprimir


Outro dia me perguntaram se irei a Mato Grosso para votar, uma vez que para presidente posso votar “em trânsito” e, há 06 anos em Brasília, minhas ligações poderiam estar meio distantes. Para responder a essa questão, preciso desvelar algumas coisas...

Sempre acreditei que o uso da palavra “companheiro” implicasse em algo mais que a simples nomeação de pessoas em reuniões sindicais ou partidárias. Talvez pela formação em Letras, a utilização de determinados vocábulos evoca significações mais amplas, mais pessoais, mais profundas...

Na palavra em questão, essas significações implicam em conceitos como com-partilhar, confiar, dividir sonhos e esperanças, solidariedade, compromisso, comunhão...

Companheiro está presente mesmo quando ausente, se você precisar ele não te abandona, não deixa para depois, não faz de conta. Companheiro te entende e te aceita. Companheiro não agride, não calúnia, não difama...

Companheirismo é colocar “nós” antes de “eu”, é reconhecer que importa menos o que eu quero e mais o que é melhor para todos, o projeto comum... é respeitar decisões.

Realmente, essa é uma palavra muito forte. Talvez por isso mesmo, eu a tenha usado pouco. Raras vezes fiz uso individual, ao tratar com/de alguém. Lembro de usá-la em assembléias e reuniões para me dirigir aos que comigo dividiam a carreira e as lutas pela educação. A semântica que me perdoe, mas esse vocábulo tem um peso nem sempre assimilado por quem o utiliza.

Não quero aqui fazer um tratado da Língua Portuguesa. Nunca fui adepta de linguagens eruditas, de palavreado rebuscado, muito pelo contrário. Sempre me esforcei para ser o mais simples possível e, assim, atender à grande questão da comunicação eficiente: ser entendida por todos. De novo, a professora de Língua Portuguesa...

Mas, voltando a questão me fez escrever, digo que todo esse discurso tem uma razão de ser: declarar que virei votar e por que.

Venho por uma razão bastante cara para mim – votar em Abicalil, e na Dilma é óbvio, mas como já disse, nela eu poderia votar em Brasília mesmo. Assim, dia 03 de outubro, estarei em Rondonópolis para exercer o mais sagrado direito de um cidadão: votar em quem eu quero, por minha escolha, por minhas convicções, por acreditar que o projeto desenhado em 1998 pode, e vai, dar certo, pois Mato Grosso merece. A benção, Doralice.

Você que me lê nesse momento, deve estar pensando porque eu não disse isso logo e fiz toda essa volta linguística? Simples:

- Carlos Abicalil é uma das poucas pessoas a quem chamo “companheiro” sem medo que o peso da palavra sufoque um de nós dois. Com a certeza de que vale a pena acreditar. Sempre!

PS. Mulher vota em mulher e em homem... e em branco, preto, índio... Vota em quem cada uma de nós julgar ser o/a melhor para ajudar a construir o mundo que sonhamos.


*Tânia Pasqualini
– Professora – Mato-grossense



Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/artigo/964/visualizar/