Repórter News - reporternews.com.br
Agronegócios
Segunda - 29 de Março de 2010 às 08:31
Por: Wisley Tomaz

    Imprimir


Com um tratamento digno da realeza, o gado de elite - fruto de melhoramento genético - tem um manejo diferenciado desde o nascimento do animal e engloba alimentação, acomodação, acompanhamento veterinário, transporte para as grande feiras do país, entre outros. Contudo, para chegar ao que os criadores consideram gado de elite, bois e vacas que alcançam altos valores em leilões, não é nada fácil. Tanto que de 100 bezerros escolhidos após o nascimento, apenas em torno de 10 se destacam para brilhar nas pistas de julgamento pelo país. Em relação à raça, o mais comum é o gado nelore, espécie indiana trazida para o Brasil no início do século passado e que encontrou aqui condições ideais para se tornar um negócio de ponta. O nelore se adaptou de forma surpreendente à nossa terra pelas suas características de rusticidade, precocidade e grande capacidade de conversão de pasto em musculatura.

O diretor da Comissão de Bovinos da 1ª Expoinel - Exposição Internacional de Nelore, realizada de 07 a 21 de março no Parque de Exposições Senador Jonas Pinheiro, em Cuiabá, Alexandre El Hage, conta que o trabalho com animais de elite exige muita experiência por parte dos criadores. Quem participa de exposições e aprecia os imponentes e belos animais de grande porte expostos nas pistas de julgamento ou sendo puxados por seus tratadores, nem imagina o trabalho que seus proprietários tiveram para que eles chegassem àquela docilidade e vigor físico. Os especialistas explicam que, antes mesmo do nascimento, os criadores já fazem um planejamento, escolhendo os melhores reprodutores com sêmen disponível no mercado, além de fêmeas Puro de Origem (PO) com alto padrão de qualidade, aplicado um rigoroso processo de seleção, sanidade e manejo.

Depois disso é feito a inseminação e logo que os animais nascem os criadores já observam quais apresentam uma genética diferenciada e podem ser grandes campeões. Os selecionados são retirados entre os 45 e 60 dias para as baias, onde começa um verdadeiro tratamento real. Nem todos chegam até o final, muitos acabam não chegando aos resultados esperados. "Os animais de elite recebem de 2 a 8 tratos por dia. A alimentação é balanceada, pois eles têm que ganhar peso mais rápido e adquirir uma musculatura diferenciada. Ficam em locais confortáveis, tomam banhos regulares. Tudo é feito com muito cuidado para que cresçam fortes, bonitos e dóceis", explica El Hage, acrescentando ainda que os animais fazem caminhadas para fortalecer a musculatura. Há ainda o cuidado de soltar os bezerros para que brinquem e se exercitem, o que também fortalece a musculatura. Outro tratamento é o adestramento, feito desde cedo para que o bezerro se comporte com elegância e docilidade nas pistas de julgamento.

Depois que se tornam adultos, os animais já começam ir paras as pistas, onde ficam até os 36 meses de idade. É quando começam as viagens pelo país, são pelo menos três por ano para que possam participar do ranking nacional. Os animais são transportados em caminhões adaptados para que não sofram nenhum tipo de estresse nas viagens. Já nas exposições agropecuárias, tanto o gado de elite como seus tratadores têm locais específicos. O tratamento de um animal de elite pode custar até R$ 300,00 mensalmente.





Fonte: A Gazeta

Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/noticia/137873/visualizar/