Publicidade
Repórter News - reporternews.com.br
Economia
Quinta - 03 de Julho de 2008 às 16:36

    Imprimir


A volta da inflação ao dia-a-dia do consumidor resgata termos e práticas adormecidas na memória de muitos brasileiros, como a indexação de preços. Segundo Márcio Nakane, coordenador da pesquisa do IPC da Fipe, ela dá sinais de estar de volta à economia, especialmente no setor de serviços, mas não com a mesma intensidade de 14 anos atrás, quando o Brasil convivia com altos índices de inflação e os produtos e serviços subiam em efeito dominó.

Para Nakane, porém, as ferramentas utilizadas pelo Banco Central no controle da inflação vão impedir um movimento em cascata de reajuste de preços. Ele descartou também, durante divulgação do IPC de junho nesta quinta-feira, que o mercado esteja elevando os preços por conta dos efeitos de uma "memória inflacionária", de quem já viveu uma época em que os preços dobravam em um mesmo dia, de maneira disseminada.

"Hoje temos um comportamento de inércia, de quanto a inflação de hoje é resultado do aumento de preços anterior, mas nada comparado ao passado. Há um resquício de memória inflacionária, mas em magnitude inferior a 14 anos atrás", disse.

Ele atribuiu o repasse de preços, verificado atualmente, mais ao aumento dos custos do que ao comportamento de indexação, ainda que admita que os dois fatores exerçam pressão sobre o mercado.

"Está havendo pressões de custos na economia, com mão de obra e dissídios acima da inflação, mas tem também o comportamento, que chamei de indexação, que é aumentar os preços porque todo mundo está aumentando. Mas esse movimento depende do quanto o mercado consegue suportar [a alta de preços]", avaliou Nakane.

Nakane aposta em tendência de desaceleração dos preços na economia brasileira. Segundo ele, apesar de ainda estar em patamares elevados, há indicadores de demanda que já dão sinais de recuo, como o PME (Pesquisa Mensal de Emprego) do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) que apontou queda da renda. As iniciativas do Banco Central no combate à inflação --como o aumento da taxa básica de juros, a selic-- também deverão dar o retorno desejado pelo governo, na avaliação de Nakane.

"Do ponto de vista do governo, olhando mais para a frente, em 2009, por exemplo, vai ter desaceleração. Isso não quer dizer que a inflação vá cair do céu. A desaceleração é, precisamente, fruto da ação do Banco Central, do aperto da política monetária. A maneira como o BC entende seu papel na economia é impedir que a inflação se solidifique", afirmou o economista, que já integrou o Banco Central.

Segundo ele, o aumento de preços --mais próximo ao que seria a indexação-- está mais concentrado no segmento de serviços --especialmente nos grupos de Saúde e Despesas Pessoais. Em junho, essas duas categorias apresentaram variação de preços de 0,82% (ante 0,59% em maio) e de 0,80% (ante 0,79%), respectivamente. Para julho, a estimativa é que a inflação em Saúde e Despesas Pessoais acelere ainda mais, para 1,60% e 1,15%.

Demais categorias

O grupo Alimentação, no entanto, deverá ter mais uma vez a maior variação em julho, de 2,5%, porém menor que a do mês passado (2,87%). Os outros grupos que devem desacelerar em julho são Habitação (de 0,30% em junho para 0,29% em julho) e Vestuário (de 0,55% para deflação de 0,2%).

Entre os grupos que também devem acelerar o IPC em julho estão Transportes (para 0,22% ante 0,15% em junho) e Educação (para 0,3% ante 0,08%). O IPC geral deverá registrar inflação de 0,95%.

Segundo também divulgou a Fipe nesta quinta-feira, o IPC deverá fechar o ano em 6,35%, ante previsão anterior de 5,93%. Para o período, o BC estipulou meta de 4,5% para o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), com margem de tolerância de dois pontos percentuais para mais ou para menos.





Fonte: Folha Online

Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/noticia/177411/visualizar/