Repórter News - reporternews.com.br
Economia
Quarta - 25 de Junho de 2008 às 08:59

    Imprimir


A forte alta nos preços da carne bovina já começa a preocupar o governo. Essa elevação, além de ter impacto interno, afeta o mercado de países importadores, "que já estão perguntando por que a carne sobe tanto". A afirmação é do ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes.

Entre os países que já começam a sentir os efeitos dessa alta, estão Irã e Argélia, que podem reduzir o consumo interno. "Temos de ter um certo cuidado [com essa evolução dos preços]", afirmou o ministro.

Os preços baixos da arroba de boi nos últimos anos provocaram o abate de fêmeas em ritmo acima do normal. Com isso, houve redução na oferta de bezerros e, conseqüentemente, de bois prontos para o abate. A redução da oferta de animais prontos para o abate vem pressionando os preços, que já chegaram a R$ 96 por arroba, conforme mostrou ontem a Folha.

Ontem, o mercado fechou em baixa. A arroba recuou para R$ 94. Essa queda já se deve às dificuldades de repasse, ao varejo, das recentes altas de preços, diz o Instituto FNP.

Diante da demanda mundial forte pela carne e o constante aumento interno de preços, Stephanes diz que o país deve ir devagar, inclusive com a retomada das vendas para a União Européia. "Se nós efetivamente voltarmos a exportar no mesmo volume anterior para a União Européia, não vamos ter bois suficientes e o preço vai ainda mais para cima."

As manifestações do ministro ocorreram ontem, em São Paulo, no seminário Perspectivas para o Agribusiness em 2008 e 2009, patrocinado pelo Ministério da Agricultura e pela BM&F Bovespa.

Preço bom, custo alto

O encontro mostrou, ainda, que o setor agrícola pode ter um novo calcanhar-de-aquiles daqui para a frente. Enquanto os ministros anteriores --Roberto Rodrigues e Luís Carlos Guedes Pinto-- administraram uma agricultura endividada e sob os efeitos de preços baixos e de câmbio desencontrado entre plantio e colheita, Stephanes terá à frente uma agricultura dominada por preços bons para o produtor, mas com custos bastante elevados.

Esses custos podem fazer com que os produtores percam rentabilidade, apesar dos preços altos. "Isso ainda não está ocorrendo, mas estamos atentos aos custos", diz o ministro.

E o principal custo neste momento é o dos adubos e fertilizantes, "setor que parou de ser apenas preocupação do ministério, mas também do governo", diz ele. O ministro diz que está sendo feito um convite para empresas nacionais e cooperativas entrarem na produção de fertilizantes para diminuir a dependência nacional das importações.

Com o novo plano de safra, a ser divulgado no início de julho, o governo espera que as medidas favoreçam o aumento da área cultivada de 3 milhões a 5 milhões de hectares.

Entre as medidas, está a redução dos juros para apenas 5,75% nos investimentos em áreas degradadas. Essa contribuição virá do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), "que vai colocar, inicialmente, R$ 1 bilhão para recuperação de áreas degradadas a juros que possivelmente serão negativos", afirmou Stephanes. Os pequenos produtores também terão juros diferenciados, de 2%, segundo o ministro.





Fonte: Folha de S.Paulo

Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/noticia/178080/visualizar/