Publicidade
Repórter News - reporternews.com.br
Nacional
Quarta - 24 de Outubro de 2007 às 10:05
Por: Mariana Oliveira

    Imprimir


A socióloga Dulcelina Vasconcelos Xavier, diretora do movimento Católicas pelo Direito de Decidir e secretária das Jornadas pelo Direito ao Aborto Legal e Seguro, criticou nesta quarta-feira (24) declaração do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), que em entrevista ao G1 defendeu o aborto para reduzir a violência no estado.

Para Dulcelina, "reduzir a violência não tem nada a ver" com legalização do aborto. "O que gera a violência é a falta de acesso à educação, a falta de políticas públicas para cuidar das crianças. O aborto não é solução para redução da violência, é um perigo grande pensar por esse lado."

Cabral disse que a interrupção da gravidez "tem tudo a ver com a violência pública". "Você pega o número de filhos por mãe na Lagoa Rodrigo de Freitas, Tijuca, Méier e Copacabana, é padrão sueco. Agora, pega na Rocinha. É padrão Zâmbia, Gabão. Isso é uma fábrica de produzir marginal", afirmou o governador - clique aqui para ler a entrevista com Cabral.

Segundo a socióloga, a legalização do aborto deve ser pensada como uma questão de saúde pública. "Não é como forma de controle da natalidade, o movimento de mulheres não defende o aborto de forma nenhuma como controle de natalidade. É uma visão completamente ultrapassada."

Dulcelina afirma ainda que o movimento feminista tem buscado desde a década de 60 e 70 enfatizar os direitos reprodutivos como direito de escolha da mulher e do casal e que o Católicas pelo Direito de Decidir não encontra dificuldades dentro da Igreja Católica.

"A gente fica muito à vontade pra defender não o aborto em si, mas a mudança da lei para defender as mulheres. A maternidade tem de ser uma opção. Na situação em que vivemos e com o risco de saúde que muitas mulheres correm, não estaríamos sendo solidárias como essas mulheres se não defendêssemos mudança na lei", disse a socióloga.





Fonte: G1

Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/noticia/201646/visualizar/