Repórter News - reporternews.com.br
Saúde
Sábado - 30 de Junho de 2007 às 05:22

    Imprimir


O vírus causador da Aids costuma ser comparado com ex-marido ou ex-mulher: uma vez que entrou na sua vida, nunca sai mais. Até agora. Uma equipe de quatro pesquisadores na Alemanha conseguiu eliminar de vez o vírus HIV de células infectadas em proveta, abrindo nova possibilidade de que a doença possa um dia ser efetivamente "curada".

"Embora ainda muito longe de uso clínico, nós especulamos que esse tipo de tecnologia poderá ser adaptado em futuras terapias anti-retrovirais, entre outros usos possíveis", escreveram os pesquisadores em artigo na edição de hoje da revista "Science" (www.sciencemag.org).

O HIV é um retrovírus e seu material genético é o RNA (ácido ribonucléico), em vez do DNA (ácido desoxirribonucléico) necessário para sua reprodução.

O vírus lida com isso ao usar enzimas para transformar seu RNA em DNA, em seguida integrado-o ao DNA da célula humana infectada para que ela comece a funcionar como uma "fábrica" para produzir novos vírus. Enzimas são substâncias protéicas que constituem verdadeiras caixas de ferramentas dos seres vivos.

As enzimas do HIV estão entre os atuais alvos das terapias, que buscam evitar a entrada do invasor ou a fusão dos materiais genéticos.

O problema, lembram os autores do estudo, é que os tratamentos disponíveis hoje "apenas suprimem o ciclo de vida viral sem erradicar a infecção"; e novas variantes do HIV surgem capazes de resistir às terapias.

A equipe na Alemanha, então, optou por sabotar a fábrica de vírus quando ela já está instalada na célula hospedeira, mas antes que essa "indústria" possa iniciar a sua produção de novos HIV.

Comentando o trabalho, o pesquisador Alan Engelman, do Instituto do Câncer Dana-Farber, de Boston, EUA, diz que a descoberta, por enquanto, deve ser considerada como o primeiro "passo de bebê" na direção certa.





Fonte: EFE

Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/noticia/219220/visualizar/