Repórter News - reporternews.com.br
Saúde
Sexta - 22 de Junho de 2007 às 08:44

    Imprimir


A Organização Mundial da Saúde (OMS) apresentou hoje um plano bienal para deter o avanço das formas de tuberculose resistentes ao tratamento farmacológico, o que permitiria salvar até 1,2 milhão de vidas nos próximos 10 anos.

O diretor do departamento para a Tuberculose da OMS, Mario Raviglione, explicou que a cada ano aparecem entre 400 e 450 mil novos casos de tuberculose que apresentam alguma das duas formas conhecidas de resistência às drogas normalmente usadas.

A primeira é conhecida pela sigla MDR-TB, que exige tratamentos mais complexos. Mais recentemente apareceu uma segunda forma ainda mais inquietante para a OMS, conhecida como XDR-TB, que torna ineficazes as drogas mais sofisticadas e que ocorre quando os casos de MDR-TB são mal tratados.

Os dois tipos são contagiosos, lembrou Raviglione. Ele afirmou que o plano da OMS para deter a progressão da tuberculose exigiria um financiamento de US$ 2,15 bilhões, que deverá sair do Fundo Global da ONU para a Aids, a Tuberculose e a Malária, assim como de contribuições da comunidade internacional.

Entre os objetivos do plano estão investimentos no fortalecimento dos programas nacionais para o tratamento da tuberculose resistente, a modernização de laboratórios e o financiamento de pesquisas para melhorar o diagnóstico, os remédios e as vacinas.

As preocupações da agência têm aumentado nos últimos seis meses devido a um foco de XDR-TB na África do Sul, "praticamente incurável". A situação foi agravada pela alta incidência do vírus do HIV no país, disse Raviglione.

Só um dos 53 sul-africanos afetados pela tuberculose resistente sobreviveu. O resto morreu num período de 25 dias depois de serem retiradas as primeiras mostras do bacilo.

No mês passado, foi descoberta uma pessoa infectada com esse mesmo tipo de tuberculose, num vôo procedente dos Estados Unidos.

Segundo a OMS, 1,6 milhão de pessoas morreram por causa dessa doença em 2005, ou 4.400 pessoas por dia. Setores pobres de países asiáticos são responsáveis por metade das mortes registradas.





Fonte: EFE

Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/noticia/220397/visualizar/