Publicidade
Repórter News - reporternews.com.br
Saúde
Quarta - 30 de Maio de 2007 às 14:36
Por: Jesiel Pinto

    Imprimir


Secretaria de Saúde enviou material informativo para todas as prefeituras do Estado A Secretaria de Estado de Saúde (Ses) está coordenando, em Mato Grosso, as ações que identificam o dia 31 de Maio como “Dia Mundial Sem Tabaco”. O objetivo é conscientizar a população sobre os danos à saúde, sociais, políticos, e econômicos que o uso do fumo pode causar sendo que, este ano, a campanha avança ainda mais no combate ao tabagismo com o tema “Ambientes Livres de Tabaco”.

Na unidade central da Secretaria de Estado de Saúde será realizada, às 14 horas do dia 31 (quinta-feira), na sala Ana Estrela, uma palestra sobre os riscos do tabagismo passivo, aberta aos servidores da Saúde. O Dia Mundial Sem Tabaco, que é uma parceria da Organização Mundial da Saúde (OMS) com seus 192 países membros, entre os quais o Brasil está incluído, está sendo observado em todos os 141 municípios de Mato Grosso.

“Enviamos folderes, cartazes e material educativo e informativo a todos os Escritórios Regionais de Saúde que ficaram responsáveis pela distribuição desse material a todas as Secretarias Municipais de Saúde do Estado. Cada município recebeu, também, uma cópia do Manual do Dia Mundial Sem Tabaco, que instrui a realização de várias ações de sensibilização expondo os riscos do uso do fumo”, informou a coordenadora estadual do Programa Nacional de Controle do Tabagismo, Aracy Assunção.

Com o tema “Ambientes Livres de Tabaco” o Ministério da Saúde (MS), que articula e divulga a comemoração do Dia em todo o território nacional, está enfocando a questão do fumante passivo, ou seja, a pessoa não-fumante que acaba inalando a fumaça do cigarro usado por fumantes. “A indústria do fumo sempre disse que a fumaça produzida por cigarros e charutos, que ela chama de ‘fumaça ambiental do tabaco’, não fazia mal à saúde”, mencionou Sirley Lima, técnica do Programa Nacional de Controle do Tabagismo. “Queremos mostrar, nessa campanha, que isso não é verdade”.

Aracy Assunção explicou que “a fumaça do tabaco tem mais de quatro mil substâncias tóxicas, sendo que mais de 50 delas causam câncer nos seres humanos, além de cardiopatias, doenças respiratórias e cardiovasculares capazes de provocar a morte tanto em crianças quanto em adultos”.

Dados do Instituto Nacional do Câncer indicam que a concentração de alcatrão na fumaça do tabaco que polui ambientes fechados chega a ser 5,3 vezes maior do que a que está presente na fumaça que o fumante traga. A quantidade de nitrosamina, um importante elemento cancerígeno do tabaco, chega a ser 10 vezes maior na fumaça ambiente do que na fumaça que o fumante traga. A concentração de nicotina e monóxido de carbono na fumaça ambiental de tabaco, que são tóxicos para o sistema cardiovascular, chega a ser , respectivamente, 21 e 15 vezes maior do que na fumaça tragada pelo fumante.

O QUE OS MUNICÍPIOS FARÃO – O Ministério da Saúde recomenda que os municípios desenvolvam vária ações envolvendo a sociedade organizada para sensibilizar a população dos danos causados pela fumaça do tabaco. Dentre estas recomendações estão as de envolver na campanha as instituições privadas, não-governamentais e as da rede pública, estabelecendo parcerias e trabalhando com instituições acadêmicas para realizar a disseminação das informações sobre os malefícios do uso do tabaco e os perigos da inalação da fumaça produzida por cigarros e derivados.

As Secretarias Municipais de Saúde devem buscar apoio de pessoas públicas formadoras de opinião, como artistas, atletas, modelos, líderes religiosos, para participar nos eventos comemorativos. Envolver, também, as Associações de Moradores, promovendo a discussão e participação de seus membros e diretores em eventos e palestras sobre os malefício do tabagismo passivo e a importância de ambientes livres de tabaco.

O MS recomenda, também, que se mobilize os estudantes de níveis secundário e de ensino superior, repassando a eles as informações que indicam os perigos do uso do fumo e da inalação passiva da fumaça do tabaco, para que possam se tornar multiplicadores de informação sobre os perigos do uso do tabaco.

As Secretarias Municipais de Saúde podem, ainda, incentivar organizações não- governamentais a realizarem movimentos junto à população e autoridades para incentivar e apoiar a implementação de medidas de promoção de ambientes livres de fumo e convidar profissionais de saúde a proferir palestras sobre os malefícios do tabagismo, tanto ativo quanto passivo, destacando a importância da promoção de ambientes livres de fumo.





Fonte: Assessoria/Ses-MT

Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/noticia/224567/visualizar/