Publicidade
Repórter News - reporternews.com.br
Internacional
Sexta - 30 de Março de 2007 às 02:15

    Imprimir


O presidente peruano, Alan García, rejeitou nesta quinta-feira os estudos que recomendam limitar o número de visitantes no santuário arqueológico de Machu Picchu, situado em Cuzco, antiga capital do império inca.

"De onde saem esses relatórios, esses boatos?", perguntou o líder social-democrata. García disse também que "ninguém pensa em limitar o acesso à Catedral de Notre Dame", visitada por 40 milhões de pessoas ao ano, na França. "Eu diria que há uma atitude um pouco alarmista, catastrofista. Peço aos amigos do Instituto Nacional de Cultura (INC) um pouco mais de otimismo e um pensamento moderno", afirmou.

Além disso, García criticou a idéia de aumentar a tarifa de ingresso em Machu Picchu para limitar a entrada a 1,5 mil pessoas, evitando assim o afundamento ou deslizamento da cidadela.

"Dizem que é preciso subir o custo de ir a Machu Picchu para US$ 100 por pessoa. Assim ninguém vai lá. Com essa decisão só conseguiremos asfixiar as coisas", opinou.

"Com isso de repente os turistas podem resolver não ir mais a Machu Picchu. E quem sai perdendo?", comentou García durante um ato público com empresários em Lima. Atualmente, o santuário inca, que ocupa uma extensão de 50 mil hectares, recebe 2 mil visitantes por dia.

Em entrevista à Efe, a gerente-geral do Escritório de Promoção do Peru (Promperú), subordinado ao Ministério do Turismo, Mara Seminario, tinha afirmado que tentaria reduzir o número de visitantes, que causam um desgaste no solo de Machu Picchu.

Além disso a cidadela inca, encravada na rota que une a selva onde nasce o rio Amazonas e as montanhas que formam os Andes peruanos, sofre do risco latente dos "huaycos", ou enchentes, em língua quíchua. Machu Picchu é a principal atração turística do Peru.




Fonte: EFE

Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/noticia/234466/visualizar/