Publicidade
Repórter News - reporternews.com.br
Policia MT
Sexta - 22 de Fevereiro de 2013 às 07:29

    Imprimir


Ilustração
O assistente de produção José Maria de Lima Filho, de 34 anos, morreu após ficar 24 dias internado em estado grave na UTI no pronto-socorro de Cuiabá (PSC). 

No dia 28 de janeiro, ele foi espancado por três rapazes e uma garota que, não satisfeitos, ainda atearam fogo na vítima, que teve queimadura de segundo grau. O crime ocorreu na cidade de Santo Antônio de Leverger (a 27 quilômetros da Capital). José Maria estava internado em estado grave. Ele morreu ontem de madrugada, por volta da 1 hora. 

Na última sexta-feira, policiais civis prenderam os quatro suspeitos de participar do crime. Eles foram autuados por latrocínio (roubo seguido de morte) e formação de quadrilha. O inquérito foi encaminhado para o Fórum Criminal da cidade. 

Conforme as investigações, a vítima estava ingerindo bebida alcoólica num bar com os quatro suspeitos. Ao perceber que José Maria estava com dinheiro na carteira, eles o levaram até um local escuro, onde o espancaram. 

No dia seguinte, viram que a vítima ainda estava viva. Então, compraram dois litros de álcool num posto de combustível e tentaram incendiar a vítima para matá-la de vez. Ferido em estado grave, ele foi salvo por moradores que passavam pelo local e desconfiaram do cheiro de queimado. 

Os moradores da cidade ficaram revoltados com a situação, uma vez que a vítima era um trabalhador e acabou sendo enganado pelos quatro, que também são moradores da cidade. Os suspeitos foram vistos saindo do bar com a vítima e foram reconhecidos pelo funcionário do posto quando compraram os dois litros de combustível numa garrafa pet. 

Dias depois, os policiais localizaram os acusados, que foram ouvidos na Delegacia. Como não havia mais prazo para a prisão em flagrante, foram liberados. Eles negaram qualquer participação no crime, tampouco de ter roubado a vítima. 

“Ainda não sabemos o valor roubado, mas era dinheiro do pagamento do mês e do décimo terceiro salário”, explicou um policial. Francisco é funcionário da BRF (antiga Sadia) em Várzea Grande. Ele mora em Leverger e se deslocava de ônibus até a empresa. (AR) 




Fonte: Do DC

Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/noticia/27673/visualizar/