Repórter News - reporternews.com.br
Politica Brasil
Sexta - 07 de Julho de 2006 às 16:41

    Imprimir


Um mês e um dia depois da invasão na Câmara dos Deputados, o PT ainda não decidiu se irá punir o líder do MLST (Movimento de Libertação dos Sem Terra), Bruno Maranhão, com a expulsão dele do partido. Até agora, a legenda decidiu apenas afastá-lo da secretaria de movimentos populares e da Executiva Nacional.

Segundo informações da assessoria de imprensa do partido, Bruno continua filiado ao PT. O processo contra ele no conselho de ética da legenda só será iniciado quando ele deixar a prisão e tiver condições de apresentar sua defesa pessoalmente. O PT decidiu que não irá ouvi-lo na cadeia.

Bruno Maranhão está detido com outros 41 integrantes do MLST no presídio da Papuda, em Brasília, desde o dia 6 de junho. Eles são acusados pelos crimes de lesão corporal, dano qualificado e formação de quadrilha.

Ontem, o Tribunal Regional Federal em Brasília decidiu mantê-los presos. O relator do processo, desembargador federal Hilton Queiroz, negou o pedido de liminar impetrado pelo advogado de Bruno Maranhão, considerando não ter sido demonstrada a inexistência dos pressupostos necessários à prisão em flagrante.

O habeas corpus ainda terá o mérito apreciado pela 4ª Turma do TRF-1ª Região, da qual o relator é membro. Foi o segundo pedido de libertação negado. O anterior foi mandado ao arquivo pelo tribunal por ter apresentado falhas na instrução do processo.

A invasão

Armados de paus, pedras e blocos de cimento, os sem-terra invadiram a Câmara no dia 6 de junho e destruíram portas, paredes de vidro, equipamentos de informática, um busto de bronze do ex-governador Mário Covas, entre outras peças da Câmara. Um veículo, que estava no saguão da Casa e seria sorteado na festa junina dos funcionários da Câmara, também foi destruído.

A polícia prendeu cerca de 500 pessoas no dia da invasão, mas apenas 42 continuam detidas --identificadas como os comandantes da ação.





Fonte: Folha Onlaine

Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/noticia/290266/visualizar/