Publicidade
Repórter News - reporternews.com.br
Saúde
Sexta - 03 de Fevereiro de 2006 às 20:35

    Imprimir


Substituto do Instituto de Previdência do Estado de Mato Grosso (Ipemat), o MT Saúde é mais um dos projetos alternativos elaborados na atual gestão que, mesmo com as dificuldades por que passou, não esconde o êxito naquilo a que se propõe: ser um plano de saúde economicamente acessível e prestador de um serviço eficiente e de qualidade ao servidor público e à sua família.

O seu presidente, Yuri Bastos Jorge tem levado adiante essa orientação de Governo. Contornando problemas e debelando crises, ele mostra que é possível cumprir o objetivo se existe vontade política, responsabilidade e qualificação técnica para a tarefa.

É dessa forma que o MT Saúde, agora em processo de credenciamento de novos profissionais, hospitais, clinicas e laboratórios para a formação de sua rede própria, aprimorando e ampliando as especialidades e os serviços, tem sido procurado por servidores municipais de diversas prefeituras e até por servidores do Poder Judiciário para firmar convênio. Nesta entrevista, o presidente do MT Saúde fala um pouco dessa história recente, mas de grande êxito.

Secom-MT - Que vantagens o MT Saúde tem que o antigo Ipemat não tinha em relação à sua função?

Yuri Bastos Jorge – Olha, nós iniciamos este Governo com o propósito de mudar conceitos, mudar parâmetros, mudar a maneira de se fazer as coisas. Nós adotamos neste Governo uma política de resultados, uma política de utilização de recursos públicos. E dentro dessa visão de utilizar melhor, os recursos públicos sem elevar impostos, para aumentar receita, nós entendemos que o Ipemat já não funcionava mais para atender esses requisitos.

O Ipemat não cumpria com a legislação vigente de não fazer assistência médica e ao fazer assistência médica ele utilizava em torno de R$ 1,6 milhão por mês para atender uma minoria de servidores que habitavam Cuiabá, Várzea Grande e alguns municípios da Baixada Cuiabana.

Então, dentro desse novo conceito nós optamos por elaborar um mecanismo que viesse atender a todos os servidores, independente do município em que ele esteja lotado, do órgão que ele esteja lotado e oferecendo um serviço de qualidade. E aí começou efetivamente a surgir o MT Saúde que é genuinamente deste Governo. É um plano de saúde que faz parte de uma agenda de valorização do servidor público que este Governo vem implementando desde o seu primeiro dia.

Secom-MT - E sobre as novidades do MT Saúde que deverão ser implantadas em breve?

Yuri Bastos Jorge – Já no ano passado nós tínhamos como objetivo, o lançamento de duas novidades. Uma delas era um sistema de tratamento odontológico para todos os usuários do MT Saúde e o sistema de desconto em medicamentos, ou seja, uma rede de farmácias espalhadas em todo o Estado que o servidor pudesse comprar medicamentos com descontos de 10 a 50%.

Mas, por força de alguns problemas, de alguns momentos turbulentos que nós passamos, por força de prazos, de legislação, licitação que estávamos realizando, nós então deixamos para este ano e provavelmente no início de fevereiro nós estaremos lançando o sistema de odontologia e no final do mês de fevereiro nós estaremos lançando o sistema de farmácia.

É muito simples, o que nós fizemos foi via licitação credenciar uma empresa eu viesse atender a odontologia a todos os servidores e em todos os municípios e com desconto de 50% em todo tipo de tratamentos dentário. Então é uma vantagem muito grande para todos os servidores que têm o MT Saúde.

Secom-MT – Em relação à rescisão do contrato com o Sesi Vida para a organização da rede própria de profissionais e estabelecimentos médicos, que problemas o MT Saúde teve que enfrentar?

Yuri Bastos Jorge – O MT Saúde está chegando aí a quase dois anos de implantação e ao longo desse período nós estávamos passando por um processo de fases de implementação. Nós colocamos para funcionar e estávamos analisando o comportamento do MT Saúde, do atendimento médico, a rede credenciada, o comportamento financeiro e até mesmo o desempenho da empresa gestora que no caso era o Sesi Vida.

Nós encontramos algumas dificuldades, trabalhamos muito para superar e isso é natural. Eu não tenho medo nenhum de falar disso. Tivemos problemas. Vivemos no ano passado uma paralisação, uma greve de médicos que prejudicou bastante o atendimento do MT Saúde, mas nós trabalhamos bastante para superar aquele momento, corrigir todas as distorções, fazer os reparos necessários, enfim, o importante é que nós extinguimos o contrato com o Sesi Vida e montamos uma rede própria contratados diretamente pelo MT Saúde.

Dessa forma podemos atender melhor e com mais qualidade ao usuário desde janeiro deste ano quando começamos a operar neste sistema. Graças a Deus nós conseguimos superar essa situação. Ainda precisamos resolver alguns problemas como alguns cartões novos enviados pelo Correio retornaram por questões de endereço, mas esperamos estar resolvendo esses problemas em alguns dias.

Secom-MT – Quantos servidores são atendidos pelo MT Saúde atualmente?

Yuri Bastos Jorge – O MT Saúde está presente hoje em 122 municípios, cerca de 40 mil vidas sob nossa responsabilidade. E para atender toda essa demanda nós temos que ter uma rede ampla. Provavelmente nós fecharemos este semestre com quase dois mil prestadores de serviços. Dentre médicos, hospitais, laboratórios, fisioterapêutas, psicólogos, fonoaudiólogos. Agora, é claro que existe município que não há profissionais de determinadas especialidades para serem credenciados. Não existe o médico de determinada especialidade para se credenciar, até porque essa é uma característica do Estado de Mato Grosso e às vezes a pessoa tem que se deslocar a um município mais próximo onde ele possa achar o médico de sua especialidade.

Secom-MT – O servidor que ainda não recebeu o novo cartão pode ter atendimento?

Yuri Bastos Jorge – Todo servidor, nessa fase de transição vai receber o cartão novo do MT Saúde e deve jogar fora o cartão velho. Mas, algumas informações no cadastro estão com alguns erros, então, alguns envelopes enviados para os usuários retornaram para o MT Saúde. E nós estamos contatando esses usuários para a correção do endereço e envio desses cartões novamente.

Caso o usuário necessite fazer qualquer tipo de atendimento em hospital ou laboratório ele pode se deslocar até lá de posse de sua identificação pessoal e a atendente irá checar as informações e ele poderá fazer a sua consulta e ter o seu atendimento. Eu faço questão que o usuário fale comigo aqui.

Eu quero é poder resolver o problema e dar resposta à altura. Quando deixam recado para mim eu retorno a ligação, estou aberto para críticas porque queremos melhorar cada vez mais os serviços prestados. Então, o servidor que tiver dúvidas ou quer mais informações pode ligar para o MT Saúde. A ligação é gratuita pelo fone 0800-647-7770.



Secom-MT – Na sua opinião, o diferencial deste governo é de fato a forma de gerir os recursos públicos?

Yuri Bastos Jorge – Esse governo vem com uma visão diferente. Eu posso dizer, por exemplo, que não se via onde eram empregados os recursos do Fethab. Hoje se vê! Nos milhares de casas construídas, nas estradas que estão sendo recuperadas. O investimento em Cultura, por exemplo, há muito tempo não se via falar em resgate cultural que vem sendo promovido pelo João Carlos (João Carlos Vicente Ferreira secretário de Estado de Cultura) que eu quero parabenizar aqui, então tudo isso demonstra a diferença desse governo.

Na área de Turismo a gente tem registrado aqui números novos de turistas que vêm ao Mato Grosso. No Detran, por exemplo, hoje é um órgão que está tendo condições de investir quando antes dava prejuízo. Enfim, o Estado vem sendo conduzido com muita determinação, com pulso firme e isso resulta na melhoria das condições de vida de todos os servidores e do cidadão.

Secom-MT – A que o senhor atribui a procura de Prefeituras para firmar convênio com o MT Saúde?

Yuri Bastos Jorge – Fico feliz por isso, afinal o MT Saúde realizou no ano passado 324.933 procedimentos, entre consultas, tratamentos médicos, internações, partos, exames, terapias, internações cirúrgicas e outros. Mas é preciso ter cautela. É preciso que a gente estude bem essa possibilidade, que debata, que analise o impacto que esses novos associados vão causar dentro do plano, se isso não vai diminuir a qualidade do atendimento, então, é preciso avaliar muito bem isso e conversar, muito bem conversado, mas a princípio eles serão bem-vindos.

Se isso se concretizar nós agregaremos 65 mil novas vidas dentro do MT Saúde, entre a Prefeitura de Cuiabá, de Várzea Grande e o Tribunal de Justiça. Com isso, quantas mil pessoas vão deixar de ir ao Pronto Socorro Municipal, às policlínicas, aos Postos de Saúde e a partir da absorção desse contingente que em grande parte será atendido pelo MT Saúde a superlotação nessas unidades tenderá a cair e o atendimento no geral deverá melhorar, o que representa melhor qualidade de vida para todos.





Fonte: Secom - MT

Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/noticia/320846/visualizar/