Repórter News - reporternews.com.br
Agronegócios
Quinta - 22 de Julho de 2004 às 08:40
Por: Mariana Peres

    Imprimir


A redução em 25% na área plantada de milho em Lucas do Rio Verde (360 quilômetros ao Médio Norte de Cuiabá) tirou de circulação cerca de R$ 30 milhões da economia da região, cifras que seriam obtidas com a comercialização de 150 mil toneladas (t), ou 2 milhões de sacas. As chuvas do início do ano retardaram o plantio.

No município foram cultivados este ano, nesta segunda safra de milho, 150 mil hectares (ha) e a previsão era de uma produção de 450 mil t. "Com 90% da área colhida observa-se também uma redução de produtividade de até 25%. O plantio tardio comprometeu o desenvolvimento e forçou a redução da área", reforça o presidente do Sindicato Rural de Lucas do Rio Verde, Helmut Lawisch.

A previsão inicial para Lucas era cultivar 200 mil hectares (ha), mas as chuvas do início do ano atrasaram o plantio e implicaram na redução da safra e perdas de até mil quilos por ha plantado. Na safra passada foram colhidas 600 mil (t) com rendimento de quatro mil quilos por ha.

Para Mato Grosso, o Instituto Mato-grossense de Economia Agrícola (Imea) previa no primeiro levantamento sobre estimativas para a safra 03/04, um total de 803 mil ha e produção de 2,5 milhões de t. O mercado calcula que somente 650 mil ha tenham sido cultivados e que a produção desta segunda safra do grão fique entre 2 milhões de t a 2,3 milhões de t.

Lawisch explica que o plantio ideal do milho na região era até 28 de fevereiro. "Como as chuvas atrasaram a colheita da soja, consequentemente houve retardo nos trabalhos para o plantio do milho que em alguns casos se estendeu até 10 de março".

Com estes imprevistos, os grãos estão sendo armazenados sem problemas no município, que tem capacidade de armazenar um milhão de t. O ano de 2003 foi marcado pela super-safra de milho em todo Estado, quando foram colhidas 2,2 milhões de t. Com grandes estoques de soja, muitos produtores foram obrigados a estocar o milho a céu aberto, visto que a soja, tem melhor valor de mercado se comparado a este grão.

"Temos pouca soja armazenada neste momento e grande parte do milho colhido está sendo entregue. As sobras terão lugar de estocagem para aguardar por um mercado consumidor mais atrativo", aponta Lawisch.

Mas o presidente aproveita para fazer uma crítica, "foi em função das quebras e reduções da safra de milho que não tivemos que expor nosso trabalho a céu aberto. A safra 03/04 de Mato Grosso está estimada em 21 milhões de t, enquanto que a capacidade estática não comporta mais que 13 milhões t. O déficit é de cerca de 7 milhões de t".

ANTECIPAÇÃO - Outro fator, segundo Lawisch, que contribuiu para o escoamento do milho nesta safra foi a comercialização de 60% da produção de maneira antecipada com as tradings, o que assegurou ao produtor, preços por saca melhores que os adotados atualmente pelo mercado. Antecipadamente, foi possível travar o preço do milho por até US$ 5, ou cerca de R$ 14 e R$ 15. "O mercado atual não paga mais de R$ 10,50 para a saca aqui em Lucas. É a lei da oferta e demanda, excesso de oferta preço em queda", destaca o presidente.





Fonte: Diário de Cuiabá

Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/noticia/377816/visualizar/