Repórter News - reporternews.com.br
Educação/Vestibular
Terça - 02 de Março de 2004 às 18:47
Por: Rodrigo Rossi

    Imprimir


A Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) vai apurar os trotes contra alunos da FEM (Faculdade de Engenharia Mecânica), praticados dentro do campus, ontem, durante a confirmação de matrícula na universidade, que inicia o ano letivo amanhã.

Os calouros, cerca de 60, passaram por constrangimentos como rolar e brigar na lama, além de serem forçados a participar de "competições de farinha" (um calouro fica soprando farinha no rosto do outro) e a passar pelo "rolo compressor" (calouros sujos de lama ficam deitados enquanto um outro rola por cima). A Folha presenciou o trote.

A Unicamp, em nota oficial, informou que trabalha para coibir "ao máximo modalidades de trotes que constrangem" os novos alunos e que "toda denúncia [de trote violento] é apurada".

A FEM possui cerca de 300 dos 27 mil estudantes da Unicamp. Segundo a assessoria da Unicamp, a Comissão de Recepção aos Calouros --formada por sete professores que recebem denúncias de trotes violentos na universidade-- ainda não havia sido notificada oficialmente do trote ocorrido ontem na FEM.

A apuração de trotes violentos começa na Comissão de Recepção aos Calouros. Um relatório é elaborado e enviado à Comissão Central de Graduação, que depois encaminha o caso ao Consu (Conselho Universitário) --órgão máximo da Unicamp-- que define a pena. O aluno que participar ou incitar trotes violentos pode ser suspenso ou expulso.

Veteranos do curso de engenharia mecânica da FEM dizem que o trote neste ano está mais violento do que em 2003. Segundo Rafael Melo Dias, 19, do segundo ano, os trotes no ano passado incluíram apenas pintura no rosto e algumas brincadeiras: "Era bastante tranqüilo, não tinha essa coisa da lama, competições de farinha".

Calouros ouvidos pela Folha afirmaram que se sentiram constrangidos, mas não viam problema em participar das atividades. As entrevistas, cinco no total, foram dadas ao lado de veteranos. "Há brincadeiras que são complicadas, mas pretendo participar", disse Diego Jiquilim Ramirez, 19.

Segundo a psicóloga Mariana Barini de Santi, 28, os constrangimentos a que são submetidos os estudantes recém-chegados à universidade podem causar danos no decorrer do ano. "Dependendo do nível de exposição a que são submetidos, os calouros podem ter o comportamento espontâneo prejudicado."




Fonte: Folha de São Paulo/Campinas

Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/noticia/387474/visualizar/