Publicidade
Repórter News - reporternews.com.br
Saúde
Sábado - 17 de Maio de 2014 às 07:55

    Imprimir


Thinkstock
Mães superprotetoras e de famílias muito unidas estão mais suscetíveis à síndrome.
Mães superprotetoras e de famílias muito unidas estão mais suscetíveis à síndrome.

Bom dia! Você é mãe e tem um filho ou uma filha que irá se casar? E não está ainda aceitando bem a ideia de "perder" a companhia diária de seu herdeiro? Muitas mães, infelizmente, sofrem por ver seus filhos saindo de casa, fora de seus cuidados e poderão sofrer com a síndrome do ninho vazio, sentimento de tristeza e solidão provocada pela perda da função parental.

Segundo a psicóloga Maria Cristina Eiko Kishida Oda, da Beneficência Portuguesa de São Paulo, mães superprotetoras e de famílias muito unidas estão mais suscetíveis à síndrome.

— A principal causa é o desligamento de uma relação simbiótica que, por amor e carinho se instalou por parte dos pais, principalmente de uma família unida e parceira.

Maria Cristina explica que alguns sintomas ficam evidentes, entre eles: humor triste, cansaço, hipobulia (diminuição da força, energia ou vigor), insônia, dificuldade de concentração, déficits secundária de memória, entre outros. Os filhos devem ficar atentos ao comportamento dos pais, já que a síndrome também pode acometer os homens.

A psicóloga explica que os filhos são importantes agentes no combate à síndrome e sugere: que "os pais devem ser preparados antecipadamente para o desligamento"

— Da mesma forma que se preparam para receber um filho, por meio de conversas e diálogos com respeito e orientação, não como controle e sim como uma parceria.

De acordo com a especialista, caso a síndrome seja identificada, além de acompanhamento psicoterapêutico, é importante que o portador crie novos hábitos que supra o tempo que destinava ao cuidado diário de seus filhos. Dançar, cantar, resgatar antigas amizades, fazer trabalho voluntário e academia podem colocar fim ao mal estar.





Fonte: Do R7

Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/noticia/395212/visualizar/