Repórter News - reporternews.com.br
Comportamento
Domingo - 24 de Dezembro de 2017 às 18:43
Por: G1

    Imprimir


O pastor Hernandes Dias Lopes, autor da cartilha distribuída pela rede de supermercados Hirota, disse em seu perfil no Facebook que "nunca foi propósito polemizar ou atacar pessoas que pensam diferente" e que seu compromisso "é com os valores cristãos". O livreto provocou polêmica com o texto que diz que o "casamento é heterossexual" e que "a relação conjugal entre homem e home e mulher e mulher é antinatural, é um erro, uma paixão infame, uma distorção da criação".

"Em virtude da polêmica gerada pela distribuição do devocionário CADA DIA FAMÍLIA de nossa autoria, pelo Super Mercado Hirota, queremos aqui declarar nossa solidariedade ao Supermercado e esclarecer dois pontos: Primeiro, esse livreto não é uma cartilha, conforme vem sendo divulgado na mídia, mas um devocional mensal editado pela LPC com mensagens cristãs", escreveu Dias Lopes.

"Segundo, nunca foi nem será nosso propósito polemizar ou atacar pessoas que pensam diferente de nós. Nosso compromisso é com os valores cristãos, conforme estabelecidos na Palavra de Deus, nossa única regra de fé e de prática. Para que todos tenham conhecimento do conteúdo pleno do livreto distribuído, disponibilizamos aqui, o texto na íntegra. No amor de Cristo, nosso único Redentor", completou o pastor. Ele transcreveu todo o texto contido no livro em outro post no Facebook.

O Ministério Público do Trabalho de São Paulo mandou nesta sexta-feira (22) e a Defensoria Pública do Estado notificaram a rede Hirota Food Supermercados suspender a distribuição de cartilha que condena gays, o aborto e o sexo antes ou fora do casamento. O órgão informa que tomará medidas judiciais caso a empresa descumpra o pedido.

A Promotoria considerou “discriminatório” o conteúdo da cartilha "Cada Dia Especial Família de 2017", que traz 31 mensagens que discorrem sobre casamento, relação entre pais e filhos e até dívidas da família.

A notificação enviada pelo MP ao supermercado também exige que as cartilhas já distribuídas sejam retiradas de circulação e que a empresa deixe de produzir conteúdo desse tipo e o divulgar em suas lojas, site ou redes sociais.

A Rede Hirota disse que os 10 mil exemplares da cartilha já se esgotaram e não estão sendo mais distribuídas. Afirmou que o livreto foi impresso e distribuído durante a semana do "Dia da Família" e que não há nenhum preconceito nos valores e políticas da empresa. Diz ainda que lamenta qualquer transtorno causado e que atende todas as famílias da mesma forma. O Hirota também pediu sinceras desculpas a todos.

A consultora financeira Vanessa Camargo, de 29 anos, disse ao SP1 que se sentiu muito ofendida quando sua noiva leu em voz alta a cartilha que o casal recebeu após fazer compras em uma loja do supermercado Hirota, em São Paulo.

"Mercado é um lugar que a gente vai com a família e eu vou com a minha noiva", diz Vanessa. "Quando recebo do próprio lugar que frequento que não sou bem vinda isso me agride. Estão dizendo que a minha família não existe, mas a minha família existe. Ela não vai negar a existência de famílias diferentes da minha. Não quero negar a existência de outras famílias mas quero que a minha tenha o seu lugar."





Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/noticia/426619/visualizar/