Repórter News - reporternews.com.br
Politica MT
Segunda - 29 de Junho de 2020 às 11:24
Por: Max Aguiar/Olhar Direto

    Imprimir


A última sessão plenária da Câmara Municipal de Aripuanã (distante 1.000 km de Cuiabá), terminou de madrugada, com a cassação do prefeito Jonas Rodrigues da Silva, popular Jonas Canarinho por denúncias de irregularidades na gestão municipal. Foram nove votos a favor e dois contrários à perda do mandato.

Os vereadores elencaram diversos crimes supostamente cometidos pelo chefe do Executivo, como não comparecimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), deixar de responder requerimento do Legislativo, atraso de entrega dos balancetes, irregularidades na promulgação de leis, reprovação das contas de 2017 e descumprimento de recomendações formuladas por CPI.

A discussão, seguida de votação terminou na madrugada de sexta-feira (26). Logo que terminou a sessão, o vice-prefeito Adir Vieira já foi empossado e atualmente é o novo prefeito de Aripuanã.

Por telefone, Canarinho afirmou que sofre perseguição política antes mesmo de tomar posse como prefeito, quando ainda era vereador do município. “Muitos deles [vereadores] não gostam de mim, não concordam que na cidade não há corrupção e que eu não vou dar um real que não esteja de acordo com a lei”, disse ele.

Ainda segundo o prefeito cassado, seus advogados vão ingressar com uma ação nesta segunda-feira (29) para que ele retorne ao cargo. Jonas disse que é totalmente irresponsável uma cassação que contra o que foi aprovado pelo Tribunal de Contas do Estado.

“Quanto às contas de 2017, elas foram aprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), mas reprovadas pela Câmara Municipal. Você não acha que isso é perseguição?”, questiona o ex-prefeito. Ainda segundo Jonas Canarinho, há uma denúncia de que ele havia emprestado maquinário da prefeitura para ser utilizado em uma propriedade particular.

“Não existe prova, não existe vídeo, não existe nada provando que eu tenha feito isso. Das testemunhas que eles mesmos chamaram, apenas uma foi de acusação. Todas as outras me inocentaram e, mesmo assim, fui cassado”, disse.

A ação deve ser ingressada nesta segunda-feira (29), no Tribunal de Justiça de Mato Grosso, para que a mais alta corte jurídica do estado decida pela volta ou não de Canarinho ao Poder Executivo de Aripuanã.





Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/noticia/436660/visualizar/