Publicidade
Repórter News - reporternews.com.br
Judiciário e Ministério Público
Quarta - 09 de Junho de 2021 às 22:55
Por: Arthur Santos da Silva/Olhar Direto

    Imprimir


A Justiça Eleitoral decretou sigilo em inquérito em face do senador Wellington Fagundes (PL), alvo por suposto recebimento de R$ 300 mil nas eleições de 2014. Informação foi delatada pelo colaborador premiado Joesley Batista, sócia da empresa JBS. Conforme apurado pelo Olhar Jurídico, o segredo foi decretado justamente pelo inquérito contar com informações provenientes de delações.


Recentemente Polícia Federal se manifestou afirmando que ainda são necessárias as oitivas do deputado federal Neri Geller, do empresário Joesley Batista e de Ricardo Saud, ex-executivo da JBS. Oitivas são aguardadas para obter maiores elementos acerca dos fatos descritos.

Já consta no inquérito pesquisas nos bancos de dados de sistemas corporativos disponíveis na Polícia Federal, bem como em sistemas cartorários do Estado de Mato Grosso e em fontes abertas, reunindo os endereços dos futuros depoentes.



Segundo informações apresentadas pelo Ministério Público no inquérito, montante foi recebido em espécie e não foi declarado oficialmente na prestação de contas. Pagamento supostamente serviu em troca de "evitar retaliações ou dificuldades para as empresas" e "garantir a boa vontade e facilidade de contratos para futuros pleitos empresariais".



Fagundes chegou a requerer no fim de 2020 sigilo da investigação alegando tratar-se de "pessoa pública, com forte exposição na mídia", submetido a "riscos de constrangimentos desnecessários, que em nada contribuiriam para o deslinde do feito". Decisão do juiz eleitoral Jorge Alexandre Martins Ferreira negou, na ocasião, o requerimento.





Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/noticia/443790/visualizar/