Publicidade
Repórter News - reporternews.com.br
Politica MT
Sexta - 29 de Janeiro de 2010 às 13:50
Por: Rafael Costa

    Imprimir


Procurador Pedro Taques, que ainda não definiu se disputa as eleições de 2010 em MT
Procurador Pedro Taques, que ainda não definiu se disputa as eleições de 2010 em MT

O procurador da República, Pedro Taques, afirmou nesta sexta-feira, em entrevista à Rádio CBN, que alguns segmentos da classe política em Mato Grosso temem a possibilidade de sua candidatura ao Senado.

"Parece que tem uma festa e muitas pessoas tem medo de que eu entre nessa festa. O que me parece é que há um certo temor, de parte de uma determinada classe, de que eu possa acabar com essa festa", afirmou Taques.

O procurador pregou a necessidade de uma reforma política para melhorar a relação política. "Precisamos de uma reforma política para impedir a comercialização de partidos políticos. As siglas não podem ser propriedade de ninguém, é um acesso ao cidadão para chegar ao poder. Temos uma política de Quarto Mundo. As leis precisam ser melhoradas porque quem sofre é o cidadão. No Brasil, um processo leva 13 anos para ser concluído e no Chile oito meses", disse o procurador.

Pedro Taques confirmou o conteúdo da reportagem do MidiaNews sobre o convite feito pelo presidente nacional do PPS, Roberto Freire, para ele ingressar na legenda e concorrer a uma vaga ao Senado.

"Conheço o ex-senador e ex-deputado federal Roberto Freire desde 1989, quando ele disputou a Presidência da República pelo PCB. Ele me convidou, sim, e no momento em que decidir vou considerar essa possibilidade", revelou.

Ao contrário do que noticiaram alguns veículos de comunicação, nesta sexta-feira, em momento algum, o site afirmou que já estava acertada a ida do procurador da República para a legenda socialista. Apenas noticiou que Freire aguardava resposta a um convite já formalizado.

Cautela

Questionado a respeito das preferências partidárias, Taques pregou cautela e não citou nenhuma legenda a qual pode se filiar, embora seja cortejado por diversos partidos políticos. No entanto, deixou implícito que não sentará à mesa "com certas figuras da classe política", evitando citá-las nominalmente.

"O partido é feito de pessoas, existem corruptos nos partidos políticos, mas a coerência é uma das minhas qualidades. Não dá para trabalhar com decência sem coerência", afirmou.

Questionado a respeito de quando anunciará se entra ou não na disputa eleitoral deste ano, o procurador preferiu o mistério. "O dia 4 de abril é o limite", a data é estipulada pela Justiça eleitoral para desincompatibilização de cargos públicos aos pretensos candidatos", lembrou.

Propostas

Ao longo da entrevista à CBN, Pedro Taques repetiu várias vezes: "Não sou candidato, só existe candidato depois da convenção". No entanto aceitou apresentar propostas a respeito de segmentos sociais.

Ele pregou a verticalização da produção em Mato Grosso, para garantir mais empregos no futuro. "Vejo que o agronegócio deve ser discutido não de forma imediatista, pensando na próxima safra; tem que se pensar daqui para 20 anos. Precisamos que o Estado seja exportador, mas, ao mesmo tempo, agregar valor para que o produto seja aceito no mercado internacional de forma mais adequada. Precisamos verticalizar a produção, o mercado de trabalho futuro vai ter muitos jovens que irão necessitar de inserção no mercado", disse.

Com relação à Segurança Pública, Taques defendeu que mais investimentos sociais para combater a criminalidade.

"Não se pode tratar a Segurança Publica de qualquer forma. Alguns crimes de menor potencial são questões sociais, falta de emprego, saúde, lazer. Em Bogotá [Colômbia], o índice de homicídio caiu 11%, com o avanço na urbanização de praças. Homicídios passionais, vindo de brigas, têm causas diversas, precisamos de medidas de descriminalização. Crimes graves, como a corrupção, não são sociais. Um indivíduo que rouba milhões dos cofres públicos e tem o domínio de seis idiomas merece punições mais severas como a cadeia", afirmou Taques.






Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: https://reporternews.com.br/noticia/144369/visualizar/