Publicidade
Repórter News - reporternews.com.br
Economia
Quarta - 10 de Outubro de 2007 às 15:33
Por: Bruno Garcez

    Imprimir


O Fundo Monetário Internacional (FMI) acredita que o crescimento econômico mundial está sendo ''compartilhado por todos os países de uma forma sem precedentes''.

No recém-divulgado capítulo As Mudanças nas Dinâmicas do Ciclo de Negócios Globais do relatório Panorama Econômico Mundial, que será lançado na próxima semana, o fundo afirma que a atual diminuição de volatilidade, o aumento da estabilidade e a duração dos ciclos de expansão econômica são reflexos que podem se mostrar duradouros.

Mas acrescenta que ''a volatilidade em média baixa não descarta a possibilidade de que ocorram eventuais recessões''.

Segundo o FMI, ''a tarefa de manter expansões exige que os autores de políticas econômicas se adaptem, porque os processos de comércio e de globalização financeira podem ter gerado novos riscos e vulnerabilidades''.

Como exemplo, o fundo cita que ''as perdas associadas ao elevado grau de investimentos no mercado de hipotecas 'subprime' [de alto risco] dos Estados Unidos geraram tensões no setor bancário de várias economias avançadas, causando preocupações em relação a uma possível crise de crédito''.

O estudo afirma que ''a economia global está agora em seu quinto ano de forte expansão'', o maior período de crescimento sustentável desde o final da década de 60 e o início dos anos 70.

E acrescenta que um dos fenômenos particularmente ''únicos'' do atual período, é que ''o forte cresimento está sendo compartilhado pela maior parte dos países, como prova da dispersão do crescimento por diversos países. Em outras palavras, virtualmente todos países estão indo bem''.

O relatório diz que, entre as economias avançadas, as recessões profundas praticamente desapareceram após o período da Segunda Guerra Mundial.

Mas acrecenta que nos mercados emergentes e nas economias em desenvolvimento, ''a tendência por ciclos de negócios dinâmicos têm tido resultados mais mistos''.

O documento identifica a expansão da China e da Índia como sendo similar ao do crescimento no pós-guerra do Japão, Europa ocidental e as novas nações industrializadas da Ásia.

Mas adverte que ''em contraste, as maiores economias da América Latina (Argentina, Brasil, Chile e México), não vêem um aumento na duração de seus períodos de expansão desde os anos 70, devido a recorrentes crises fiscais e financeiras.''





Fonte: BBC Brasil

Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: https://reporternews.com.br/noticia/203366/visualizar/