Publicidade
Repórter News - reporternews.com.br
Politica Brasil
Quinta - 07 de Dezembro de 2006 às 09:32

    Imprimir


O prefeito Wilson Santos reiterou que não irá privatizar a Sanecap. Durante a gravação do programa de rádio Prestando Contas, que vai ao ar sempre às sextas-feiras, nas emissoras de Cuiabá, Santos reafirmou que está buscando um novo modelo de gestão para a Companhia de Saneamento da Capital – Sanecap, mas que a empresa não será privatizada.

Wilson Santos ressaltou que a prefeitura não tem capacidade para investir em saneamento básico. O município não tem recebido auxílio nem do governo estadual e nem do federal. O sistema de saneamento de Cuiabá necessita de investimentos na ordem de R$ 100 milhões para os próximos dois anos, para universalizar o fornecimento de água em Cuiabá e avançar na política de tratamento de esgoto.

O prefeito afirmou que não ficará parado vendo a morte do rio Cuiabá, vendo a população sem abastecimento de água e sem saneamento, por isto está propondo um novo modelo de gestão para a Sanecap, que garanta investimentos no sistema. O modelo a ser implantado na Sanecap será o de concessão, seja para uma empresa pública ou privada.

“O futuro é bom, o futuro é investimento no saneamento básico. Investimento como nunca houve em Cuiabá. Eu tentei durante dois anos com recursos próprios. Lutei muito junto ao governo do estado. Não consegui ajuda nenhuma do governo do estado. Tentei muito junto ao governo federal, consegui alguma coisa, mas muito aquém das necessidades, pouco em relação a demanda de Cuiabá. Então estamos abrindo com a sociedade uma discussão democrática sobre o futuro da Sanecap”.

Santos afirmou que a necessidade de investimentos na área de saneamento é tão grande, que nem mesmo o estado teve capacidade para fazer isto. “Em 1999, o estado lavou as mãos e entregou a antiga Sanemat para os municípios. Se o estado, que arrecada seis bilhões de reis por ano, não agüentou tocar a política de saneamento básico, imagine os municípios. O próprio presidente Lula já declarou que os municípios brasileiros não possuem nenhuma capacidade de investimento”.

CRÍTICAS - O prefeito disse estar ciente de que irá enfrentar eventuais críticas de oposição, mas que isto não importa. “Não vou vender um parafuso ou meio metro de cano da Sanecap. Nós não vamos sequer discutir privatização. Não está na mesa esta discussão. Mas tem gente colocando isto maldosamente, com interesse eleitoral, não conhece o sistema. O que eu vou fazer é discutir com a sociedade a possibilidade de nós mudarmos o modelo de gestão”.

Para Santos, aqueles que criticam sua decisão estão vivendo no passado, querendo um modelo antigo de administração pública. “O mundo mudou. Avançou. A União Soviética acabou, o muro de Berlim caiu, o Socialismo não triunfou. As pessoas querem resultados, elas não querem saber de partido A, B ou C. Não interessa se é privado, se é misto ou se é público, o que interessa é que o serviço aconteça”.

Wilson Santos lembrou que muitos municípios já estão implantando novos modelos de gestão do saneamento. “Nós queremos modernizar a gestão da Sanecap, modernizar a administração. Isto o prefeito Antônio Palocci já fez, nos anos 90, em Ribeirão Preto. Isto o prefeito Roberto da Silveira fez em Niterói, isto o PT já fez em Mauá, isto o André Puccineli, do PMDB, fez em Campo Grande”.

SAÚDE - O prefeito lembrou que investimento em saneamento significa investimento em saúde. “Eu não vou passar o meu mandato inteiro assistindo o sofrimento do meu povo. Mais de 50% das doenças que existem em Cuiabá são originadas pela falta de saneamento básico Na cidade. Investir em saneamento é investir em saúde. Cada um real investido em saneamento representa uma economia, lá na ponta, na saúde curativa, de quatro a cinco reais”.

A empresa que irá administrar a Sanecap pode ser tanto pública, como Sabesp (SP), Caesb (DF) ou Sanepar (PR), ou uma empresa privada. Pelo contrato a ser firmado, tudo que a empresa investir no sistema de Cuiabá, quando a concessão acabar, ficará para o patrimônio do município. “Serão novas redes coletoras de esgoto, de expansão de água, de estações de tratamento. Será um grande negócio para os mais pobres e para toda nossa população. Em três anos poderemos acabar com a falta de água na capital e chegar a 60% do esgoto tratado”.

TARIFA - Wilson Santos garantiu, mais uma vez, que o controle da tarifa ficará nas mãos da prefeitura. A empresa não terá autonomia para fazer mudanças tarifárias.

SERVIÇO - O Programa Prestando Contas vai ao ar as sexta-feiras nas rádios de Cuiabá. O programa pode ser ouvido também acessando o site da Prefeitura (www.cuiaba.mt.gov.br), no ícone “Rádio – Programa Prestando Contas”.





Fonte: 24HorasNews

Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/noticia/255832/visualizar/