Repórter News - reporternews.com.br
Saúde
Quarta - 07 de Março de 2018 às 07:11
Por: Folhamax

    Imprimir


O compromisso do Governo de Mato Grosso em estabelecer como prioridade o combate à hanseníase foi destacado pelo Ministério da Saúde durante o lançamento nesta terça-feira (06.03) da 5ª Campanha Nacional de Hanseníase, Tracoma e Verminose. Várzea Grande foi o município escolhido para iniciar a campanha com a participação da representante ministerial, Carmelita Filha, coordenadora nacional de Hanseníase e Doenças em Eliminação.

“Essa doença milenar ainda é negligenciada por muitos gestores, pela própria população e por alguns profissionais da saúde que não têm o olhar voltado para o diagnóstico precoce. E o Estado de Mato Grosso se destaca por ter uma visão diferenciada sobre a doença, a exemplo da superação da meta prevista pelo Ministério da Saúde demonstrando um maior cuidado com a saúde do aluno, por meio de ação integrada entre a saúde e a educação”.

O lançamento da campanha foi realizado na Escola Estadual Jercy Jacob, no bairro Água Vermelha. A comunidade escolar colaborou na recepção aos técnicos do Ministério da Saúde e das Secretarias Estadual e Municipal de Saúde.

A biblioteca foi preparada para servir de consultório médico, onde uma enfermeira e um médico do programa Saúde da Família fizeram o primeiro exame clínico-dermatológico para diagnosticar suspeita de hanseníase em estudantes da faixa etária de 5 a 14 anos. No pátio da escola, outra equipe técnica medicou os alunos com uma dose de medicamento para combater verminose. O exame e a medicação são realizados em estudantes mediante autorização assinada pelos pais ou adulto responsável.

Engajamento familiar

O casal Silvério e Ivânia dos Santos, pais de um estudante da Escola Estadual Jercy Jacob, autorizou a equipe da saúde municipal a dar o medicamento ao filho de 11 anos pela primeira vez. Os pais também preencheram a ficha de autoimagem sobre hanseníase, que é uma descrição de manchas existentes na pele do estudante. É a partir dessa autoimagem que o médico seleciona os alunos que terão de passar pelo exame clínico-dermatológico. “Nós autorizamos e viemos acompanhar a campanha para conhecer como é feito esse trabalho, pela primeira vez, e achamos tudo muito importante para a saúde do nosso filho e dos outros estudantes”.

A participação dos pais é a garantia do sucesso da campanha, destacou a coordenadora de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado de Saúde, Alessandra Moraes. “Sem a autorização dos pais ou de um adulto responsável pelo estudante, os técnicos em saúde e o médico não podem dar o medicamento e nem fazer o exame. Por essa razão é que pedimos à família dos estudantes da rede pública municipal e estadual que participe e venha conhecer de perto a campanha. Queremos com essa ação preventiva encontrar as pessoas que estão sem diagnóstico de doenças como a hanseníase, o tracoma e a verminose. E essa parceria entre a saúde e escola é primordial, e precisa funcionar”, explicou Alessandra.

De acordo com Joselaine Brito, diretora da Escola Jercy Jacob, serão atendidos durante a campanha 160 estudantes. “Com a presença assídua da equipe da Saúde da Família na escola conseguiremos atingir essa meta e já estamos melhorando a saúde de nossos aluno”, enfatizou.

No período da tarde, o lançamento da campanha foi realizado na Escola Municipal Manoel João de Arruda, no bairro Figueirinha, também em Várzea Grande. Somente nessa escola serão contemplados 200 estudantes na faixa etária de 5 a 9 anos.

Atendimento da campanha

A meta do Ministério da Saúde e da Secretaria de Estado de Saúde é atender 17 mil alunos, somente em Várzea Grande. Em todo o estado serão atendidos 330 mil estudantes de 1.100 escolas públicas municipais e estaduais.

Para o representante do Programa Saúde na Escola da Secretaria de Estado de Saúde, Milton Fleury, a parceria entre as áreas da educação e da saúde é importante para garantir a execução de ações preventivas, asseguradas pela Constituição, para promoção da atenção integral à saúde da criança e do adolescente.

Hanseníase tem cura

A meta da Organização Mundial de Saúde é erradicar a hanseníase no Brasil. O País registra atualmente 90% de todos os casos dos países da América Latina e por ano, 2 mil crianças são diagnosticadas com a doença.

Em Mato Grosso, dados preliminares dos registros realizados no ano passado apontam 3 mil casos novos da doença. "Com o lançamento do Plano Estadual de Enfrentamento da hanseníase, em janeiro de 2018, a prioridade é detectar novos casos da doença e tratá-los na rede municipal de Saúde com o apoio da Secretaria de Estado de Saúde", frisou Alessandra de Moraes.

“Estamos com as ações voltadas para o diagnóstico precoce da doença e queremos enxergar essas pessoas que ainda estão fora da rede pública de saúde”, concluiu a coordenadora.

Tracoma é evitável

A doença pode causar a cegueira na idade infanto-juvenil e pode ser evitada, especialmente na faixa etária de 5 a 14 anos. A ação preventiva nas escolas tem como prioridade diagnosticar a doença e encaminhar os estudantes para o tratamento e a cura na rede municipal de saúde, por meio do Programa de Saúde da Família.

A campanha segue até 30 de junho de 2018, acompanhando o primeiro semestre do ano letivo nas escolas públicas do Estado.





Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/noticia/428049/visualizar/