Publicidade
Repórter News - reporternews.com.br
Economia
Terça - 07 de Dezembro de 2010 às 10:55

    Imprimir


O futuro presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, defendeu hoje que o governo trabalhe para que a meta de inflação seja reduzida do atual patamar de 4,5%.

Ao participar de sabatina na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, Tombini, indicado para o comando do BC pela presidente eleita, Dilma Rousseff, voltou a defender o compromisso da instituição com a estabilidade de preços no país.

Ao discursar para os senadores, Tombini fez elogios ao atual comandante do BC, Henrique Meirelles, e repetiu palavras já usadas pelo seu antecessor ao defender que a instituição persiga "de forma incansável e intransigente" o compromisso de perseguir o cumprimento das metas de inflação.

"Para isso, a presidente eleita conferiu autonomia operacional plena ao Banco Central para perseguir o objetivo perseguido pelo governo, por meio do Conselho Monetário Nacional, de meta de inflação medida pelo IPCA de 4,5% para os próximos dois anos", afirmou.

Ao falar sobre o tema, porém, Tombini defendeu que, passado esse prazo, se discuta uma redução na meta traçada pelo governo. "Precisamos construir as condições necessárias para, no futuro, convergir a nossa meta de inflação para o padrão observado nas principais economias emergentes", disse o economista.

Funcionário de carreira do BC, Tombini ocupa hoje a diretoria de Normas da instituição. Para assumir a presidência, seu nome precisa ser aprovado pela Comissão de Assuntos Econômicos e, posteriormente, pelo plenário do Senado.






Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/noticia/108596/visualizar/