Publicidade
Repórter News - reporternews.com.br
Cidades/Geral
Segunda - 26 de Outubro de 2020 às 17:37
Por: Camila Bini/Da Assessoria

    Imprimir


Três conceitos centrais tendem a pautar o mercado da carne nos próximos meses: a defesa do cumprimento do Código Florestal Brasileiro, a intensificação da pecuária e a construção de uma pauta positiva junto aos mercados externos. A sinalização dessas diretrizes foi o principal resultado da assembleia ordinária do Instituto Mato-grossense da Carne (Imac) ocorrida na sexta-feira passada (23).

O encontro reuniu representantes da Acrimat e do Sindifrigo, contando também com a presença de diretores de Sustentabilidade de grandes indústrias do setor. Além disso, participaram dois secretários de Estado: Cesar Miranda (Sedec) e Mauren Lazaretti (Sema). Na pauta, alinhamento estratégico e atualização sobre o andamento de vários projetos desenvolvidos pelo instituto.

Um dos temas debatidos foi o programa de reinserção e monitoramento, que visa reintegrar no mercado formal da carne pecuaristas com embargo comercial motivado por desmatamento ilegal. Por meio de uma plataforma com informações e imagens por satélite, o produtor poderá comprovar que está em processo de regularização de sua propriedade – ficando apto para voltar a comercializar formalmente.

Outra iniciativa de destaque foi o Sistema Eletrônico de Informações da Indústria da Carne (SEIIC), projeto piloto de padronização da pesagem de carcaças bovinas nos frigoríficos. A previsão é de que a primeira unidade comece a operar em Tangará da Serra.

“Para nós, o mais importante é o alinhamento estratégico dos elos que compõem a cadeia da carne em Mato Grosso, e isso conseguimos atingir. Reunimos indústria, pecuarista, poder público e definimos claramente nossos próximos passos”, pontua o presidente do Imac, Caio Penido.

Marcelo Zanatta, representante do Sindifrigo no conselho do Imac, avaliou positivamente a assembleia. “O Imac está ficando mais forte e o caminho é buscarmos os pagamentos por serviços ambientais já prestados pelo mercado da carne. Para isso, o fortalecimento do Código Florestal é fundamental”, afirmou.

Ex-presidente da Acrimat e pecuarista, José Bernardes também destacou os avanços do Imac. “É importante continuarmos o diálogo via Imac, pois o setor é um só e deve ser visto como tal”, endossou. “Esse é o papel do instituto: fazer essa sinergia entre todos e direcionar os temas mais estratégicos”, avaliou Marco Túlio Duarte Soares, pecuarista e também ex-presidente da Acrimat.





Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/noticia/438870/visualizar/