Publicidade
Repórter News - reporternews.com.br
Opinião
Sábado - 01 de Maio de 2021 às 07:44
Por: Gonçalo Antunes de Barros Neto

    Imprimir


Há uma relação dialética entre ignorância, consciência, incerteza e busca da verdade. Estamos a plagiar, com algumas distorções, à Marilena Chauí. Se o ignorante não sabe que nada sabe sobre determinado assunto, continua nessa mesma situação pessoal e intelectual, podendo daí transformar seu triste infortúnio num arroubo de mais ignorância, desta feita em cima dos outros.

Com esse tipo o melhor é não discutir, não se gasta energia com eles.

Por outro lado, se o ignorante sobre determinado assunto, após suas reflexões, chega à conclusão que nada sabe sobre ele, a sua situação pessoal e intelectual transmuda-se pela consciência.

Disso resulta um estado de incerteza e inquietação, levando-o a avançar em seus estudos e meditações. Agora, temos o ignorante, consciente de sua estatura intelectual sobre um singular assunto, na busca da verdade. Está caminhando, e, caminhando, conhecendo.

Há uma relação dialética entre ignorância, consciência, incerteza e busca da verdade

Refletindo sobre ética, Kant sintetizou muito bem, ao externar o ideal de não fazer nada que não se possa revelar aos outros. Se algo não possa ser revelado, não o faça. Simples, assim.

Pois bem..., meditando sobre a violência em nosso Estado, que é tão generoso, por sinal, fazendo jus a seu tamanho, tolerando um “no Mato Grosso” quase que diariamente em interfaces sociais, me deparei com os estudos de José Flávio Braga Nascimento sobre criminologia.

A ignorância, portanto, nos faz caminhar quando a reconhecemos, e, a ética, a socializar aquilo que não nos envergonha, antes, nos alerta.

As teorias psicodinâmicas e as psicossociais nos ajudam a entender um pouco dos fenômenos criminológicos. A primeira (desenvolvida por nomes como Freud, Adler e Jung) se baseia em três princípios: o homem é por natureza um ser antissocial, a causa do crime é em última instância – social, e durante a infância que se forma a personalidade.

Aqui se leva em consideração a má formação do ego pelo desequilíbrio da atuação do id e superego no indivíduo, com preponderância do primeiro.

Chamou-me bastante atenção a segunda teoria, também chamada de crítico-radical. Nesta, o sentimento profundo por parte do indivíduo antissocial, por não ser gratificado pela sociedade, funciona como gatilho a desencadear o ato final e criminoso.

Veja, a pessoa já detém a classificação de antissocial. O que vem depois é o acionamento da condição pela qual o delinquente não tem qualquer controle.

É um sentimento de frustração, a consciência de que não pode realizar seus sonhos. Se não pode, busca a verdade, o sentido da vida; e, ao não encontrar, até por faltar-lhe estrutura dialética no pensamento, realiza as contradições, inclusive inconsciente, que carrega em mácula de sua vestal, vertente sombria de sua personalidade.

A tudo me faz lembrar Voltaire – “Vossa vontade não é livre, mas vossas ações o são. Sois livres de fazer quando tiverdes o poder de fazer”-. É uma questão de poder.

E quem vai apear do poder o que ostenta uma arma contra a vítima? Nesse instante, ele, o criminoso, é o poder, e ninguém ousará infirmá-lo. Isso o torna membro de um grupo, que o arma e lhe dá confiança, enquanto a sociedade assiste a tudo, trancada em sua insignificância como súdito que um dia já foi rei.

É por aí...

Gonçalo Antunes de Barros Neto tem formação em Filosofia e Direito.



Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: https://reporternews.com.br/artigo/3744/visualizar/