Publicidade
Repórter News - reporternews.com.br
Opinião
Quarta - 17 de Agosto de 2011 às 15:20
Por: Onofre Ribeiro

    Imprimir


Quando governador de Mato Grosso, entre 1995-1998-2002, Dante e eu tivemos muitos e prolongados contatos. Em 1996, almoçamos na sua residência e fumamos o cachimbo da paz, encerrando uma longa pendenga anterior de desapreços políticos mútuos. Lá, ele falou, falou, falou e falou sobre tudo.

Cheguei em casa e contei à minha mulher, Carmem, que não entendi o longo papo do governador, até mesmo porque a gente tinha acabado de se acertar civilizadamente. Ela me disse: isso é sinal de solidão. Duvidei. Como um governador prestigiado como ele poderia ser solitário? Dias depois, escrevi um artigo no jornal A Gazeta, criticando a falta de planejamento estratégico do governo sobre problemas graves como energia elétrica, na época um caos.

Ele telefonou-me e convidou para um café da manhã na residência às 7 horas. Foi outra longa conversa, a segunda de muitas e muitas. Bom, contado, isso, explico o porquê. Dante era assoberbado por imensas demandas, próprias do governador. Ele adquiriu o hábito de ouvir algumas pessoas antes de decidir-se. Por bastante tempo tive esse privilégio. Ele ouvia quantos achava necessário e depois decidia.

Aí é que morava o mistério. Sua decisão posterior aparentemente não tinha nada a ver com as conversas. É que ele ouvia, ouvia, ouvia, a todos e fazia um juízo pessoal muito particularizado, somando suas informações técnicas e pessoais com as avaliações de quem ele ouvia.

Numa viagem internacional, ele convidou para tomar vinho os amigos que o acompanhavam a Chicago. Lá eu perguntei-lhe, particularmente, o mistério da sua “escutatória”. Ele respondeu que é muito difícil o papel do governador, porque quem se aproxima tem algum tipo de demanda ou de interesses. Decidir à primeira informação pode gerar erros graves. Então, ele disse que ouvia todo mundo necessário, passava na peneira tudo que ouviu e formava um conceito pela média das informações. Depois juntava as suas informações e mais a própria avaliação. O resultado, disse ele, “era o que sobrava desse garimpagem”. E mudou de assunto.

Hoje passados cinco anos de sua morte, lembro-me daquelas conversas, e sinto falta da “escutatória” de Dante de Oliveira. Tinha paciência pra ouvir e rapidez pra cortar a conversa quando já não lhe interessava mais, ou a conversa divagava. Aprendi a dizer-lhe as coisas num parágrafo só.  Funcionava. Muitas vezes ouvia-o repetir trechos das nossas conversas ou adotar algumas coisas para as quais pude contribuir.

Isso de saber ouvir e de usar bem o que ouve, me ficou muito marcado da personalidade de Dante.  Porém, mais do que isso, foi-me extremamente útil ter aprendido com ele a sintetizar conversas num parágrafo só, principalmente quando o interlocutor é ansioso, ou está garimpando informações também em outras fontes.

 

Onofre Ribeiro é jornalista em Cuiabá



Autor

Onofre Ribeiro
onofreribeiro@onofreribeiro.com.br www.onofreribeiro.com.br

É jornalista em Cuiabá.

Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: https://reporternews.com.br/artigo/478/visualizar/