Repórter News - reporternews.com.br
Opinião
Sábado - 04 de Maio de 2019 às 06:34
Por: Alessandra Vieira

    Imprimir


Vivemos a globalização da comunicação e isso nos traz muitos benefícios, mas também grandes desafios. Temos acesso a uma infinidade de informações e conhecimentos que pareciam impossíveis de se adquirir por conta da diferença de localização, cultura local, condição socioeconômica e de uma infinidade de outras coisas.

Essas informações somadas às crenças ancestrais, ao convívio social e às regras de origem familiar acabam programando nosso cérebro nos obrigando a pensar e agir de forma diferente daquela que talvez nos fosse a ideal.

Diariamente, sem perceber, adotamos opiniões, pontos de vista, preferências, padrões e comportamentos de terceiros até que em certo ponto, passamos a agir de forma robótica: repetindo estes padrões rotineiramente e sem pensar nas consequências.

Mas calma, tudo tem jeito! Basta fazermos uma faxina interna para aprender a distinguir quais os pontos de vista são verdadeiramente nossos e quais adotamos para construir nossa realidade.

Precisamos pensar: vestimos determinado tipo de roupa porque realmente expressam nosso estado de espírito ou porque está na moda? Pintamos os cabelos para experimentar um novo visual ou porque algum dia disseram que cabelo branco é sinal de velhice? Fazemos dieta restritiva para cuidar da saúde ou para nos encaixarmos no padrão global?

Separar tudo isso entendendo o valor de cada coisa, gesto ou atitude significa começar um novo relacionamento amoroso com a gente mesmo. Isso nos leva a um outro lugar, eleva o nível de autoestima, autoconhecimento, aceitação e bem estar.

Investigar essas questões que pareciam tão normais nos aproxima do Eu verdadeiro, da nossa essência. Significa "deixar de ser normal" para se permitir "ser natural". Não é uma virada fácil e pode levar algum tempo. Afinal, esses "programas instalados em nossa mente" estão sendo construídos há milênios e são perpetuados através das gerações. Técnicas de expansão da consciência, como a Barras de Access, podem acelerar e potencializar esse processo.

A técnica foi criada em 1990 pelo norte americano Gary Douglas, fundador do Access Consciousness. Ela alia processos verbais e corporais ao estímulo de 32 pontos na cabeça que permitem acesso à consciência possibilitando a mudança de crenças, hábitos, sensações e emoções profundas para a autocura de centenas de problemas.

Estudos mostram que estes 32 pontos correspondem as considerações, pontos de vistas, emoções e sentimentos que cultivamos acerca do corpo, da sexualidade, bondade e gratidão, paz, poder, dinheiro e criatividade. Ao serem tocados, eles liberam o fluxo energético de polaridade armazenado na nossa consciência e que nos faz funcionar no piloto automático. Permitir correr as barras, como dizemos nós terapeutas, significa ativar um sistema de limpeza interna.

Esta renovação nos faz mais conscientes e presentes no agora. Amplia nossa capacidade de perceber, saber, ser e receber tudo que há de melhor na vida nos permitindo ser o que somos: seres infinitos e capazes.

Experimente deixar correr as Barras de Access e viva cada dia melhor e de maneira natural com Facilidade, Alegria e Glória.


Alessañdra V´íeira é terapeuta holística certificada em Barra de Access, ThetaHealing®, Mesa Quântica Estelar e Gendai Reiki Ho. Facebook e Instagram: @AleVieiraTerapias. E-mail: alevieirario@gmail.com / (65) 99345-0917.



Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/artigo/2528/visualizar/