Publicidade
Repórter News - reporternews.com.br
Opinião
Quinta - 01 de Agosto de 2019 às 09:31
Por: Auremácio Carvalho

    Imprimir


O Presidente Bolsonaro, de fato, é uma caixinha de surpresas. A cada dia, uma fala bombástica, que sabe, vai criar polêmica, ocupar o noticiário, ferir desafetos- reais ou imaginários, chocar. Escolheu a linha do confronto, ao invés de governar o tão sofrido Brasil. Naturalmente, seu público fiel delira e o país fica perplexo. Parece não ter a mínima noção do peso da faixa presidencial, da compostura de um dirigente maior da nação. Governa- se isso se pode chamar de governo- pelo twitte e redes sociais; divulgando fake news; fofocas e baboseiras, enquanto o país afunda na crise, na violência e na miséria. Ele mesmo já declarou seu desconforto no cargo. Seus auxiliares diretos e confidentes são os filhos, autores e mentores dos descalabros presidenciais.

No mais recente, desafiou o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, a saber “a verdade” sobre o desaparecimento do pai, Fernando Santa Cruz, durante a ditadura militar. Por documentos oficiais da Aeronaútica e Marinha, preso em 1974 e atestado de óbito, morto pelo Estado Brasileiro, em condições “não naturais” (tortura), na Ditadura. Balela, diz o presidente, desmentindo as forças armadas, das quais é chefe supremo.

Disse que a “vivência” o fez chegar a “conclusões” sobre o desaparecimento e manifestou que “um dia” poderia contar ao mandatário da OAB como o pai desapareceu. “Não foram os militares que mataram ele não, tá”? É muito fácil culpar os militares por tudo o que acontece”,disse.

Possivelmente, algum agente estrangeiro, comunista, por certo Uma fala cruel, desumana e de total desrespeito à vida de um preso, custodiado pelo Estado. A fala foi em função do caso Adélio- facada, em que culpa a OAB, por não permitir acesso ao celular de um advogado do caso. Aliás, apesar de haver prometido, Bolsonaro não recorreu da sentença do caso, portanto, trânsito em julgado, por culpa sua e não da OAB.

Qualquer cidadão, até o presidente, ao tomar conhecimento de um crime, deve informar as autoridades policiais, diz a lei (CPP). O presidente da OAB, em comunicado, se diz um filho com orgulho do pai, agradece as manifestações de apoio que passou a receber após a manifestação do presidente e diz que Bolsonaro "deixa patente seu desconhecimento sobre a diferença entre público e privado, demonstrando mais uma vez traços de caráter graves em um governante: a crueldade e a falta de empatia".

Varias entidades e juristas desaprovaram a fala. Partidos políticos e a própria OAB vão ao STF, para que Bolsonaro esclareça os fatos, que é de seu dever, com Presidente da República, Chefe Supremo das Forças Armadas e o primeiro a defender a Constituição e a vida dos brasileiros. Interessante que seus ministros e até o Vice, estão calados, talvez, como todos nós, estarrecidos. Uma polêmica desnecessária e que pode trazer problemas no Congresso, em votações importantes.

Nas últimas semanas, o presidente Jair Bolsonaro vem incrementando em velocidade perigosíssima a adição de dois pontos explosivos ao seu discurso: o ódio e a ignorância. A fala infeliz sobre o pai do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), não teve outro propósito senão machucar, agredir, abrir feridas e trazer de volta os traumas de uma criança de pouco mais de dois anos de idade que viu seu pai desaparecer depois de ser preso pela ditadura militar.

Bolsonaro agiu como agente da repressão incapaz de acrescentar informações a uma família ainda em luto, sobre onde está o corpo do pai. Ou seja, crueldade. E golpe baixo contra o adversário. “Governar desprezando as evidências é como optar por acelerar um automóvel na direção de um muro. Governar com ódio é ir acrescentando tijolos ao muro enquanto se acelera em direção a ele. Não acreditar na existência do muro não fará o muro desaparecer. E aumentar o tamanho do muro só torna ainda maior o risco grave de colisão.” (Rudolfo Lago- cientista político. redacao@grupojbr.com). Está doente? Estressado? Aonde essa tática vai leva-lo? Naturalmente, ao isolamento político, a uma maior divisão do país e ao retrocesso. Essa estratégia diversionista na profusão de frases absurdas que o presidente solta sem maiores constrangimentos, é um sinal amarelo para o país.

Não temos governante, mas um ocupante do cargo alienado e desconectado da nossa realidade. O governo é um constante BBB, de baixo nível. Enquanto são piadas de mau gosto, ainda passa. Mas, ofender a vida e debochar da morte de militante, ai já estamos no terreno da ditadura, que vemos em países vizinhos. É a demonstração de uma personalidade doente, que aflora e que ele não consegue controlar.

Desmentir a realidade- fome, desmatamento, “as universidades são reduto de esquerdistas”,etc, é uma constante; é como negar a realidade dos fatos, da ciência, dos documentos oficiais. “O Estado sou Eu”, e ponto final. O relatório final da CNV (Comissão Nacional da Verdade),divulgado em 2014, concluiu que 434 pessoas foram mortas ou desapareceram vítimas de violência do Estado no período que vai de 1946 a 1988. Dentre esses, há 210 desaparecidos e 191 mortos. Somente 33 corpos foram localizados.

No relatório da CNV, não há registro de que Fernando tenha participado da luta armada. A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, do Ministério Público Federal, avalia que a declaração do presidente “reveste-se de enorme gravidade, não só pelo atrito com o decoro ético e moral esperado de todos os cidadãos e das autoridades públicas, mas também por suas implicações jurídicas”. E, aduz, “raras situações provocam tanto sofrimento quanto o desaparecimento de um ente querido”.O respeito a esse penar é um sinal de humanidade e dignidade, praticado por distintas civilizações e todas as religiões.

O direito a um funeral é, aliás, parte essencial de qualquer cultura humana e sua supressão, um dos mais graves atos de crueldade que se pode impor a uma família”, afirmam a procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat, e o procurador-adjunto Marlon Weichert.Vivemos tempos difíceis, inusitados,dadas as promessas de campanha.

O verdadeiro Bolsonaro, aos poucos, vai se revelando e mostrando sua real máscara de crueldade, alienação e total despreparo para o cargo que ocupa. Já que ele é “cristão”, deve conhecer o apóstolo Tiago: “Ora, a língua é fogo, é mundo de iniquidade;... contamina o corpo inteiro”(Tiago 3:6). “Quo vadis, presidente?”. Preocupação e decepção, por certo, são nossos sentimentos.

(*) Auremácio Carvalho, é advogado.



Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/artigo/2654/visualizar/