Publicidade
Repórter News - reporternews.com.br
Opinião
Terça - 02 de Fevereiro de 2021 às 11:59
Por: Gonçalo Antunes de Barros Neto

    Imprimir


Em memorável obra escrita a várias mãos, Nevitt Sanford escreve, resumindo a situação psicoemocional de certos indivíduos, que ‘aquilo que a pessoa diz serem as suas próprias opiniões, atitudes e valores se confunde com aquilo com que ela é socialmente direcionada a concordar de forma sistemática’ (in The Authoritarian Personality, subscrita também pelos notáveis Theodor W. Adorno e Horkheimer).

O ambiente familiar e social, as crises internas e externas, paradoxos existenciais, desejos e pulsões etc., ajudam a formar o indivíduo. Não é à toa que os existencialistas (Sartre e outros) afirmam que qualquer pessoa primeiro existe, depois torna-se, ou seja, é no caminhar da existência que se agrupa a essência pessoal.

Ao ver triunfar tantas inverdades (hoje temos até as ‘Fake News’) e injustiças, num mundo carregado de líderes megalomaníacos, fanáticos e autoritários, aguça em personalidades imaturas e irreflexivas (direcionadas a concordar sistematicamente com determinado padrão comportamental) um certo ‘alter ego’, projetando para si próprias, de forma implacável e resoluta, tal identidade.

Problema maior não está na imaturidade e não reflexão, mas no cinismo de alguns

Não se descuidando disso, o problema maior não está na imaturidade e não reflexão, mas no cinismo de alguns. Nestes, abalada a fronteira entre a agressividade contra elementos da realidade exterior e da realidade interior, e ‘enquanto não puder (em) se permitir ser agressivo (s) com aqueles que são realmente fortes, haverá um lembrete incômodo de que ele (s), na realidade, é (são) fraco (s). Ele (s) tenta (m) libertar-se desse pensamento projetando o desprezo sobre a humanidade, havendo, assim, alguma base para dizer que ele (s) odeia (m) os outros porque se odeia (m) ’ (idem).

Estes últimos evitam ser dissuadidos, convencidos, por novos valores sobre as circunstâncias da vida, pois a angústia gerada é forte para suportar. Enxergam como se olham no espelho, nada mais.

Cada qual com rota de fuga, pergunta: por que ficar se reprimindo? Somente os de superego forte tendem à autocrítica, apesar do autoflagelo.

Este mundo deve ser vivido não com o fígado, mas com a alma, da mais elevada. É difícil suportar aos que são, como são, e não pretendem mudar por pura covardia; são os da paz cínica.

Desses, corre-se concordes ou fingindo ignorância por vergonha alheia. Deles, oposição só dos que não se calam, porque não temem a verdade, nas palavras do meu amigo e ex-vereador Luiz Mário na sua Ronda Policial (lembram?).

Mantemo-nos o fígado fora disso, a alma generosa suporta os desafios; e que desafios não é mesmo?!

É por aí...

Gonçalo Antunes de Barros Neto tem formação em Filosofia e Direito.



Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/artigo/3551/visualizar/