Repórter News - reporternews.com.br
Opinião
Quinta - 23 de Junho de 2022 às 06:57
Por: Renato Gomes Nery

    Imprimir


Quando fui Presidente da OAB/MT, no biênio 1999/2001, me apareceram por lá dois intrépidos e sonhadores jovens que tinham urgência para adquirirem a Carteira Profissional. Marquei uma audiência apressada fiz-lhes o juramento, fora da agenda oficial, e entreguei as carteiras para Luiz Soares e Wilson Santos.

Luiz Soares foi Relator da Constituição Estadual, onde abraçou a criação inovadora do Conselho Estadual de Justiça, quando tivemos vários encontros para tratar do assunto que era do interesse da OAB/MT.

Sempre solícito, humilde e diligente e inovador, conseguiu aprovar o referido Conselho. Feito este que nem o Constituinte Federal não tinha conseguido na Constituição de 1988, o que veio acontecer somente com a Emenda Constitucional n. 45/1.994.

Faço este registro para lhe fazer justiça, entre tantas outras realizações que este ilustre político deixou, no exemplo, e no bom trato com a coisa pública que tanto prezou.


Vai fazer falta, neste deserto de bons políticos, num momento crucial da história do Brasil, onde temos que decidir, neste País dividido, o nosso futuro, nas eleições polarizadas de outubro/2022.

Infenso a homenagens, partiu como viveu, humildemente, solitariamente, sem pompas e nem circunstâncias de desnecessárias homenagens póstumas.

Não precisava provar que se tornou bom depois de morto, livrando-se do constrangimento póstumo, do personagem retratado pelo o nosso maior escritor, em Memórias Póstumas de Brás Cubas:

“Vós, que o conhecestes, meus senhores, vós podeis dizer comigo que a natureza parece está chorando a perda irreparável de um dos belos caracteres que tem horado a Humanidade. Este ar sombrio, estas gotas do céu, aquelas nuvens escuras que cobrem o azul como um crepe funéro, tudo isso é a dor crua e má que lhe rói à Natureza as mais íntimas entranhas; tudo isso é um sublime louvor ao nosso ilustre finado”.

Após esta peroração, como se dizia antigamente, o falecido ironicamente afirma:

“Bom é fiel amigo! Não me arrependo das vinte apólices que lhe deixei”. Ficamos, certamente, menores, pois ele nos abandonou prematuramente, deixando um vácuo na política estadual.

Que Deus o receba na sua santa bondade!

Renato Gomes Nery é advogado.



Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://reporternews.com.br/artigo/4617/visualizar/